Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

sábado, 16 de fevereiro de 2019 - 15h34min

Tudo novo no Vovó Miloca

21 MAR 10 - 04h:49
Três quartos, sala e cozinha amplas e um quintal bem grande. Assim é a nova sede do Centro de Apoio e Orientação à Criança Lar Vovó Miloca, entidade sem fins lucrativos que atende crianças vítimas de abandono familiar, violência física e sexual. A casa precisou ser reconstruída depois que, em 2008, forte chuva alagou e abalou a estrutura do imóvel. Ontem pela manhã, crianças, funcionários e voluntários inauguraram o novo lar. “É o melhor presente que eu já ganhei em toda a minha vida. E olha que eu já tenho 10 anos”, disse, empolgada, uma das meninas que moram no Vovó Miloca, no momento em que conheceu o novo quarto. A garota e três irmãos foram abandonados pelo pai, que arrumou emprego em outro estado e os deixou morando com uma vizinha. Na época, por determinação da Justiça, os quatro irmãos foram para a casa-abrigo, onde, desde 2008, aguardam decisão do juiz para saber se voltam para a família de origem ou se ganham novo lar. Assim como esta criança – que disse ao Correio do Estado estar “muito feliz” em mudar para uma casa “tão bonita” – o Lar Vovó Miloca abriga, hoje, outros 15 meninos e meninas com idade entre 2 e 10 anos. E, para a diretora da entidade, a professora Josefa de Andrade Arruda, 61 anos, “a maior gratificação de quem cuida dessas crianças é ver o sorriso no rosto delas, como vimos quando entraram na casa nova”. Alegria e emoção é o que disseram ter sentido os funcionários e voluntários, que trabalharam nove meses para erguer o novo Lar Vovó Miloca. “A gente fica muito feliz de poder dar a elas um lugar aconchegante”, descreveu o professor Juliano Rodrigues, 34 anos. Parceiros A antiga sede era de madeira e já corria risco de desabar quando foi atingida por uma enchente, que comprometeu definitivamente sua estrutura. Segundo Josefa, a reforma custou R$ 89 mil e contou com a ajuda de muitos parceiros. “A gente batalhou por esse dinheiro, mas o que não podíamos era deixar as crianças vivendo em um lugar que alagava sempre que chovia”. A diretora da casa-abrigo contou, ainda, que ela e voluntários levaram seis meses angariando fundos para iniciar a construção da nova sede. “Fizemos inúmeros eventos beneficentes e, quando viram que nosso trabalho era sério, passamos a receber doações de empresários muito conhecidos da Capital. Hoje, estamos aqui inaugurando o lar que vai ajudar muitas crianças ainda”.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Familiares de mulher que teve o corpo furtado realizam terceiro sepultamento com medidas de seguranç
FIM DA ANGÚSTIA

Familiares de mulher que teve o corpo furtado realizam terceiro sepultamento

MEIO AMBIENTE

Ministro contraria Ibama e diz que plantação em área indígena não é ilegal

Ambulância é arrombada e furtada  em pátio da Central de Regulação
CAMPO GRANDE

Ambulância é furtada em pátio da Central de Regulação

Goleiro Jefferson afirma não ter sido chamado para seleção por racismo
FUTEBOL

Goleiro Jefferson afirma não ter sido chamado para seleção por racismo

Mais Lidas