Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

INTER EM COCHABAMBA

Tubos de oxigênio acompanharão atletas na partida

Tubos de oxigênio acompanharão atletas na partida
16/03/2011 15:45 - globo esporte


Eles já estão no saguão do hotel colorado em Cochabamba. São três tubos de oxigênio, guardados na recepção da concentração do Inter na cidade, que servirão de aliados para o time gaúcho no jogo contra o Jorge Wilstermann, às 19h30m, no estádio Felix Capriles. O material serve apenas como precaução. Os colorados duvidam que seja necessário o uso dos tubos no 2,5 mil metros de Cochabamba.

No estádio, a ideia é deixar o material no vestiário e só buscá-lo se houver algum problema durante o jogo. O Inter entende que não vale a pena ficar expondo os tubos aos atletas. Na visão colorada, quanto menos se falar da altitude, melhor. Afinal, o clube já encarou, sem grandes dificuldades, altitudes até maiores, como os 2,8 mil metros de Quito na Libertadores do ano passado.

- É um grupo experiente, acostumado com isso. Se for necessário usar os tubos, deve ser mais para depois da partida, mas não acreditamos que será preciso – disse o preparador físico Fábio Mahseredjian.

A comissão técnica colorada tomou medidas para amenizar a altitude. Cuidou da alimentação dos jogadores, com mais carboidratos e menos proteínas, e os orientou a beber muita água. Os tubos são o complemento.

O Inter está definido para a partida. Irá a campo com Lauro, Nei, Rodrigo, Sorondo e Kleber; Bolatti, Guiñazu, Tinga, Oscar e Zé Roberto; Leandro Damião. Uma vitória recolocará o Colorado na liderança do Grupo 6 da competição continental.

Felpuda


Tudo indica que o MDB não conseguiu convencer o PSDB de iniciar namoro com vistas a casamento nas eleições, e a ideia teria sido descartada. Os tucanos demonstraram que o problema deles não é o cargo: os emedebistas ofereceram a vaga de vice na disputa à Prefeitura de Campo Grande, a mesma cobiçada pelos tucanos, mas na chapa do PSD do atual prefeito. A questão, politicamente falando, seria, digamos, o oferecido “noivo”. Afe!