Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 23 de outubro de 2018

TSE tem 30 pedidos de impugnação contra candidatos ao Governo

16 JUL 2010Por 08h:34
SÃO PAULO

O Tribunal Superior Eleitoral recebeu 30 pedidos de impugnação de candidatos aos governos estaduais para as eleições deste ano. Cinco governadores estão na lista: Sérgio Cabral (PMDB-RJ), Roseana Sarney (PMDB-MA), Ana Júlia Carepa (PT-PA), Teotônio Vilela Júnior (PSDB-AL) e Omar Aziz (PMN-AM). Nomes como o do ex-presidente Fernando Collor (PTB-AL) e do ex-senador Joaquim Roriz (PSC-DF) também estão sob análise.
Além de Collor, dos seis postulantes ao Governo de Alagoas, quatro receberam apresentações de impugnação: Ronaldo Lessa (PDT), que, em 2004, foi condenado a três anos de inelegibilidade por abuso de poder econômico; Jeferson Piones (PRTB) e o governador tucano Teotônio Vilela Júnior. O PSDB é o partido que tem mais registros questionados: 4.
No Distrito Federal, quatro dos sete candidatos aguardam aprovação. O ex-senador Joaquim Roriz, cujo pedido de impugnação registra desde “renúncia a mandato desde o oferecimento de representação ou petição capaz de autorizar a abertura de processo por infringência a dispositivo da Constituição e ausência de quitação de multa imposta pela Justiça Eleitoral (MPE). Ele também declarou guardar em casa R$ 160 mil em dinheiro vivo.
O petista Agnelo Queiroz, de acordo com o TRE-DF, teve suas contas rejeitadas em virtude de irregularidade insanável que configura ato doloso de improbidade administrativa. Newton Lins (PSL) Rodrigo Dantas (PSTU) completam o cenário.
No Maranhão, Roseana Sarney responde por abuso de poder econômico, enquanto seu antecessor, Jackson Lago (PDT) é questionado por causa da Lei da Ficha Limpa.
Ana Júlia Carepa (PA) não declarou seus bens à Justiça Eleitoral, assim como Rogério Novaes (PV-SC). Já o ex-governador de Sergipe João Alves Filho (DEM) declarou ter uma biblioteca que contém joias, quadros, objetos de arte, de coleção e antiguidade avaliada em R$ 6.939,72.
Os pedidos foram feitos pelas procuradorias eleitorais com base na Lei da Ficha Limpa, ausência de quitação eleitoral, rejeição de contas de gestores públicos, abuso do poder econômico com sentença de inelegibilidade, condenação por improbidade administrativa e demissão do serviço público.
Os tribunais têm até 5 de agosto para realizar os julgamentos e publicar seus acórdãos. O candidato que tiver o registro indeferido pelo tribunal pode recorrer ao TSE e, enquanto aguarda o novo julgamento, continuar a campanha. Para o TSE, o prazo para julgar os recursos vai até 19 de agosto.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também