PODER

TSE aceita recursos de oito barrados pela Ficha Limpa

TSE aceita recursos de oito barrados pela Ficha Limpa
02/04/2011 01:22 - FOLHA ONLINE


O ministro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) Marco Aurélio aceitou oito recursos de candidatos que foram barrados pela Lei da Ficha Limpa.

Marco Aurélio validou as candidaturas com base na decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) de que a decisão não vale para as eleições de 2010.

A decisão foi tomada no dia 23 de março depois que voto do ministro Luiz Fux desempatou a questão.

Dos casos, cinco registros foram negados pelos Tribunais Regionais Eleitorais. Esses não tiveram os votos contabilizados ainda.

Com a decisão, haverá uma recontagem de votos que poderá mudar a quociente eleitoral dos partidos.

Dois candidatos são de São Paulo --Liberato Rocha Caldeira (PP), que concorria ao cargo de deputado federal, e Fábio Bello (PMDB) a deputado estadual.

José Tomaz da Silva (PHS) e Luiz Tenório de Melo (PTB) concorriam ao cargo de deputado estadual no Mato Grosso do Sul e também tiveram seus registros negados pelo TRE do estado.

Já o TRE-DF indeferiu o registro de candidatura de Paulo Henrique Abreu de Oliveira (PC do B), que queria uma vaga de deputado distrital.

Nos outros três casos, o Ministério Público questionava decisão que liberava as candidaturas --Manoel Adail Amaral Pinheiro (PRB), candidato a deputado estadual do Amazonas; Coriolano Sousa Sales (PMDB), candidato a deputado federal pela Bahia; e Alípio Monteiro Filho (PSDB), candidato a deputado federal pelo Rio de Janeiro.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".