Campo Grande - MS, quarta, 22 de agosto de 2018

PRESOS

Trio que furtou mais de 70 lojas é apresentado pela polícia

24 MAI 2011Por EVELIN ARAUJO E GABRIEL MAYMONE09h:51

A Polícia Civil apresentou nesta manhã um trio que praticava furtos em Campo Grande. Valdemar Nunes de Souza Júnior, de 26 anos, Paulo Vieira Torrett Júnior, de 20 anos e Gelson Cardoso da Silva, de 22 anos, estão presos por praticarem 70 furtos em lojas de regiões nobres da cidade.

A quadrilha era especialista em arrombar estabelecimentos que tinham vidros do tipo “blindex”. Segundo a polícia, eles utilizavam uma chave de fenda para abrir as portas e demoravam cerca de 10 a 15 minutos para entrar na loja, porém, quando entravam, levavam apenas cerca de 2 minutos para pegarem os objetos e saírem do local. O delegado titular da Delegacia Especializada em Roubos e Furtos (Derf) Roberval Mauricio Cardoso Rodrigues explica que o alarme só é acionado quando eles entram no local e que a polícia demora cerca de 10 minutos para chegar após o disparo do alarme.

Desde o ano passado a quadrilha era investigada pela polícia, eles teriam cometido cerca de 70 furtos na Capital. Em cada assalto a quadrilha conseguia cerca de R$ 3 mil, ou seja, ao total foram furtados cerca de R$ 200 mil.

Em fevereiro deste ano, policiais encontraram digitais em uma cena de crime em uma loja na Avenida Salgado Filho que levaram às investigações até Valdemar. A partir dele, a Polícia prendeu os demais integrantes.

O outro integrante da quadrilha Douglas Marcelino da Silva, de 32 anos, esta foragido. Ele era o responsável por vender os objetos e fazer a distribuição do dinheiro aos outros integrantes.

A polícia apreendeu R$ 2 mil em notas falsas, milhares de DVDs e Cds falsificados, impressora para imprimir as notas falsas e monitores LCD, que estavam com Jackson Claudio de Souza, que seria o receptador dos objetos furtados. Ele ainda não foi preso pois ele se apresentou a polícia e as investigações ainda não foram concluídas.

 

 Foto: Evelin Araújo 

Foto: Evelin Araújo

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também