CAMPO GRANDE

Trio invade casa e mata homem com quatro tiros

Trio invade casa e mata homem com quatro tiros
26/08/2012 09:05 - BEATRIZ LONGHINI e Daniella Arruda


William de Jesus Ozuna, de 43 anos, foi alvejado por 4 tiros, por volta das 19h de ontem (25), na Rua Florêncio Lemes, no Conjunto Habitacional Vila Fernanda, em Campo Grande. Ele estava em um churrasco na casa do filho com a mulher, Celina Quintina.

De acordo com a polícia, três homens chegaram na casa de bicicleta e entraram procurando por William. O filho disse que o pai não estava e foi agredido com socos. A vítima correu para o banheiro, onde Celina estava, e foi executado com dois tiros na cabeça e dois no peito.

O atirador pediu para que Celina se abaixasse, mas ela foi atingida no braço e levada para a Santa Casa, onde aguarda uma cirurgia.

Prisão dos acusados

No final da noite, Policiais Militares do 1º e do 10º Batalhão abordaram um rapaz, 25, na Rua Afluente, esquina com a Cajarana. Ele confirmou a participação no crime e disse onde os comparsas estavam escondidos, na Rua Paratudo.

A dupla estava com dois revólveres calibre .38 com seis munições intactas.

Com eles também foram encontradas mais sete munições calibre .45 e uma motocicleta Honda Biz, que segundo as testemunhas, teria sido usada na fuga do local do homicídio. 

Eles foram levados para a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Piratininga.

(Atualizada às 11h20min para acréscimo de informações)

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".