ESPORTES

Tricolor enfrenta o Nacional para atingir marca inédita

Tricolor enfrenta o Nacional para atingir marca inédita
18/03/2010 08:19 -


O São Paulo luta para alcançar a marca de quatro vitórias consecutivas pela primeira vez na temporada. Para atingir a meta inédita, o time de Ricardo Gomes reencontra o Nacional do Paraguai, hoje, às 20h30min (MS), pela Copa Libertadores da América. Depois de ter derrotado o time paraguaio em Assunção na semana passada, por 2 a 0, o Tricolor necessita de um resultado positivo no Morumbi para continuar na briga pelas primeiras posições do grupo 2 do torneio continental. A missão do Tricolor é não apenas derrotar o Nacional, mas também fi na lmente agradar à exigente torcida são-paulina e para isso o time terá mudanças. Marcelinho Paraíba é o mais cotado para perder uma vaga, já que Jorge Wagner surge como forte opção para a armação das jogadas, mesmo enfrentando a concorrência de Léo Lima e Cléber Santana. O meio-campo é o setor mais indefinido do Tricolor. Em plenas condições físicas, Rodrigo Souto sonha em arrumar um espaço na formação principal. Com Hernanes e Richarlyson garantidos, apenas Jean corre o risco de perder a vaga para o ex-santista. Já na linha de frente, Fernandinho chegou a ser testado nos treinos da semana, mas dificilmente conseguirá desbancar Dagoberto. Washington, por sua vez, segue como referência na área, com status de artilheiro do time na temporada. Do outro lado, o desesperado Nacional tenta agarrarse às últimas esperanças, pois ainda não conquistou pontos nesta Libertadores. Com três derrotas acumuladas, o time paraguaio luta para sobreviver no Morumbi.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".