ECONOMIA

TRF restabelece liminar que suspende Funrural

TRF restabelece liminar que suspende Funrural
20/07/2010 08:12 -


Campo Grande

A Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul) divulgou ontem nota sobre a decisão do desembargador André Nekatschalow, do Tribunal Regional Federal (TRF) da 3ª Região, que reestabeleceu liminar suspendendo a obrigatoriedade dos produtores rurais de recolher a contribuição previdenciária rural, conhecida como Funrural.
Segundo a entidade, a 2ª Vara Federal de Campo Grande havia concedido anteriormente liminar que determinava a suspensão do tributo. Posteriormente, o TRF da 3ª Região suspendeu a liminar, e agora, em decisão de mérito no recurso, restabeleceu a inexigibilidade do recolhimento.
A liminar beneficia produtores filiados à Famasul e aos 69 sindicatos rurais do sistema. Advogados da instituição lembram que a liminar não extingue a cobrança da contribuição previdenciária, mas suspende o pagamento até o julgamento final do processo.
Em março, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu pela inconstitucionalidade do Funrural em ação impetrada pelo frigorífico Mataboi, de Minas Gerais. Apesar de ser decisão de um caso particular, a perspectiva é de que a definição do STF crie jurisprudência para decisões em instâncias inferiores.
A decisão do TRF é mais uma etapa no trâmite de uma ação que visa dar aos produtores de MS isenção em relação ao recolhimento de 2,1% do valor da comercialização de produtos agropecuários. A legislação que prevê o recolhimento do Funrural provocou a arrecadação cumulativa, a cada processo comercial envolvendo produtos de origem agropecuária.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".