Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Três policiais são presos por extorsão

27 MAI 10 - 06h:11
Vânya Santos

Três policiais, sendo dois civis e um militar, foram presos durante a Operação Ali Babá, deflagrada na manhã de ontem pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), que atuou em conjunto com a Corregedoria-geral da Polícia Civil e o Serviço de Investigação da Polícia Militar (PM2). Eles são acusados de extorsão, formação de quadrilha e de exigir para si dinheiro ou vantagem em razão da função que exercem (no caso dos servidores).
Informações policiais dão conta de que o grupo desviava  drogas apreendidas para vender e quando encontrava veículos roubados revendia a terceiros para usufruir do valor da comercialização. A quadrilha atuava havia meses em Campo Grande, fez várias vítimas e algumas vezes os integrantes se passavam por delegados.
Segundo o Ministério Público de Mato Grosso do Sul, a quadrilha era chefiada pelo investigador de polícia lotado na 5ª Delegacia de Polícia, Mahmod da Silva Degaiche, 43 anos, conhecido como Mamute. Também fazia parte do grupo o investigador da 3ª DP, Delson Silva Silveira, 40 anos, o soldado da Polícia Militar da Companhia de Guarda e Escolta, Vilmo Vitor Chimenez, 42 anos, o pedreiro Felipe Moreira Barreto, 21 anos e Juarez Pereira da Silva, 35 anos, que estava preso desde março.
Além dos quatro mandados de prisão temporária, foram cumpridos mandados de busca e apreensão de documentos, veículos e bens adquiridos de forma ilegal, em residências nos bairros Mata do Jacinto, Jardim Tijuca e Serra Azul.
Até o fechamento desta edição, o Gaeco não havia informado detalhes sobre os possíveis crimes cometidos.

Investigação
O caso começou a ser investigado pela Corregedoria-geral em abril deste ano, com a prisão do policial civil Cleber Sebastião da Silva Magalhães, da 5ª DP. Ele foi preso na BR-262, em Miranda, por policiais federais, transportando 14,5 quilos de cocaína num veículo Logan roubado, com placa clonada de um carro da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp).
No decorrer da investigação foi constatada a participação de um policial militar, sendo assim, foi elaborada uma força-tarefa, que contou com atuação de promotores de Justiça do Gaeco, promotora de Justiça da Polícia Militar, delegados e cerca de 40 policiais.
 
Processos
Conforme o assessor de imprensa da Polícia Civil, delegado Jefferson Luppi, será instaurado processo administrativo disciplinar para apurar acusação de extorsão contra os investigadores Mahmod e Delson. Se considerados culpados ao final do procedimento serão penalizados com ações que variam de advertência a demissão do serviço público. Sem comentar detalhes do suposto crime, o delegado disse apenas que a polícia considera a acusação “gravíssima”. “Os policiais terão direito a defesa, mas a Polícia Civil tomará medidas que o caso requer”.
O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Carlos Alberto David dos Santos, também afirmou que independentemente de ação criminal que será ajuizada determinou a instauração de processo disciplinar para avaliar se o policial tem condições de permanecer ou não na corporação.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Considerada cidade do algodão, Chapadão do Sul comemora 32 anos de emancipação
FELIZ ANIVERSÁRIO

Considerada cidade do algodão, Chapadão do Sul comemora 32 anos de emancipação

Diretor de presídio federal diz que Name não precisa de ajuda
CRIME ORGANIZADO

Diretor de presídio diz que Name não precisa de ajuda

STF retoma julgamento sobre prisão após condenação em 2ª instância
BRASÍLIA

STF retoma julgamento sobre prisão após condenação em 2ª instância

Deputados cobram vistoria <br>contra incêndio em hospitais
RISCOS

Deputados cobram vistoria contra incêndio em hospitais

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião