Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, segunda, 15 de outubro de 2018

Trecho da 262 está sendo reconstruído

8 FEV 2010Por 07h:12
São os últimos 220 km da rodovia que nasce no Espírito Santo, implantados nos anos 80 sem levar em conta as condições do solo da planície pantaneira. A base frágil dos aterros numa região alagável ocasiona infiltrações, buracos e erosão na pista sem acostamento. Erros de cálculo que, somados à falta de investimento para manutenção, tornavam a rodovia intransitável. O abandono da 262 agravou- se com o sucateamento da ferrovia, que tem o mesmo traçado, aumentando o fluxo de cargas pesadas numa pista em constante deterioração e mal sinalizada. Os paliativos tapaburacos não suportavam o tráfego, algumas vezes interrompido. O isolamento de Corumbá tinha efeitos desastrosos para sua economia, em especial ao turismo. Ao se voltar para o Pacífico, buscando encurtar distâncias e reduzir custos até os mercados da Ásia e Japão, o governo brasileiro decidiu apoiar a Bolívia na conclusão da chamada Carretera (são 650 km de Santa Cruz de La Sierra à fronteira) e priorizou também a BR-262. No ano passado, foram anunciados R$ 250 milhões para recuperar a rodovia, de Três Lagoas a Corumbá. Nova estrada O DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) executa quatro contratos entre Anastácio e Corumbá, um dos trechos (285 km) que exigiam maior investimento. “Estamos, definitivamente, implantando uma estrada de boa qualidade”, garante o superintendente do órgão, Marcelo Miranda Soares. As obras serão concluídas em meados deste ano, segundo cronograma. Além do novo pavimento e recuperação do aterro, a faixa de rolamento está sendo alargada de sete para 12 metros e com implantação de acostamento. A obra foi embargada pelo Ibama em 2009, por falta de licenciamento ambiental, mas retomou em ritmo acelerado. O projeto inclui a construção de passagem de animais para evitar atropelamentos, bem como cercas vivas e arbustos.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também