Travesti assassinado a tiros em ponto de prostituição de Dourados

Travesti assassinado a tiros em ponto de prostituição de Dourados
23/02/2010 03:58 -


O travesti Sandro Fernandes de Souza, de 22 anos, que morava no Condomínio Residencial Itaju I, no Bairro Parque Alvorada, foi assassinado com cinco tiros à queimaroupa. O crime aconteceu na noite de anteontem, na Rua Joaquim Teixeira Alves, no centro de Dourados, em um local que é conhecido como ponto de prostituição. Sandro Souza, que era conhecido como ‘Sandra’, estava em companhia de dois travestis, nas imediações de uma distribuidora de bebidas, quando um homem que estava de bicicleta chegou perto do grupo e passou a atirar em direção à vítima. Sandro Souza foi atingido por três disparos nos braços, um no peito e outro no tórax. A Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros socorreram o travesti Souza e o encaminharam ao Hospital da Vida que morreu a caminho do estabelecimento. O autor do crime está sendo procurado pela polícia. A ocorrência foi registrada no plantão do 1º Distrito Policial. Até o final da tarde de ontem ainda não havia pista do criminoso. Mais homicídio O homicídio de Sandro Souza foi o segundo caso de assassinato registrado no final de semana em Dourados. Na noite de sábado Roberto Carlos A lves da Costa, 26 anos, conhecido como ‘Espeto’ foi morto a tiros em frente de um bar na Rua Natal no Jardim Monte Líbano. O autor do crime, identificado apenas como ‘João Grilo’, está foragido.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".