Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Transparência

27 JAN 10 - 07h:43
“Conjugação de esforços para agilização de procedimentos visando à implementação de medidas com vistas à efetivação da construção e operação do novo empreendimento, sob responsabilidade exclusiva da Arbeit, ou por empresa representante da mesma para tais fins, recebendo em concessão a Área com aproximadamente 168.000 metros quadrados, para nela desenvolver um empreendimento imobiliário constituído do novo Centro Administrativo e outros prédios para atividades comerciais e de serviços. Projetos estes voltados para estimular o crescimento econômico e social de Campo Grande, de forma a se respeitar o ordenamento territorial, através da integração regional, o desenvolvimento regional, o desenvolvimento econômico e da criação de empregos e renda e assim contribuir para a redução das desigualdades sociais". Se alguém compreendeu com exatidão o conteúdo do texto entre aspas pode considerar-se uma pessoa de mente minimamente privilegiada, pois nem mesmo as autoridades municipais souberam explicar do que se trata. Informaram apenas que é um convênio assinado pelo prefeito e o diretor da empresa alemã Arbeit Desenvolvimento Imobiliário Ltda. para possível construção de uma nova prefeitura em Campo Grande. Muito mais do que isto nem mesmo o prefeito teve condições de revelar. Então, a contar pela primeira publicação oficial a respeito da negociação, a possível construção do novo Paço é realmente um negócio muito nebuloso. Nada contra o empreendimento, necessário para a cidade, já que as secretarias estão espalhadas pelos quatro cantos, o que significa custos para a administração e principalmente para os munícipes, que muitas vezes precisam perambular pela cidade para resolver seus "problemas". Porém, o que se espera é que haja um mínimo de transparência nesta negociação, pois o terreno de quase 17 hectares que está sendo cedido ao grupo alemão é patrimônio público e o administrador, quem quer que seja, tem dever de dar explicações sobre aquilo que está ocorrendo. No pouco que foi possível compreender do "convênio" publicado no Diogrande de segunda-feira está explícito que o grupo será responsável pela construção e "operação" do empreendimento. Será que isto não significa que "pelo resto da vida" a municipalidade será obrigada a pagar aluguel para esta empresa, ou uma espécie de leasing? Com a Câmara ocorreu algo parecido e há anos arrasta-se pendenga judicial a respeito de valor astronômico do aluguel. Além disso, praticamente todas as secretarias estão instaladas em prédios próprios e por isso não se justificaria possível transferência para um espaço único, pois haveria aumento de gastos. A única coisa clara até agora é que está em curso mais uma das já tradicionais e onerosas terceirizações. Na prefeitura da Capital há generoso quadro de engenheiros e arquitetos e certamente há gente suficientemente competente para elaborar um projeto próprio e também para tirá-lo do papel, sem necessidade de apelar a "milagreiros" de fora, os quais certamente estão dispostos a se instalar na cidade em troca da garantia de lucros abundantes.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

PF investiga 221 'laranjas' e casos de desvio na eleição de 2018; um deles em MS
IRREGULARIDADE

PF investiga 221 'laranjas' e casos de desvio na eleição de 2018; um deles em MS

Irmãos paraguaios são mortos a tiros na fronteira
DUPLO HOMICÍDIO

Irmãos paraguaios são mortos a tiros na fronteira

Prefeitos de municípios de MS que podem ser extintos pedem fim de PEC
BAIXA RECEITA

Prefeitos de municípios de MS que podem ser extintos pedem fim de PEC

Começo das aulas na rede estadual de ensino é antecipado
ESCOLAS

Começo das aulas na rede estadual de ensino é antecipado

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião