Segunda, 11 de Dezembro de 2017

Saúde

Transformar nervosismo em animação é saída contra ansiedade

3 JAN 2014Por Terra00h:00

Palmas das mãos suadas, boca seca e coração palpitante. Em algum momento, a maioria das pessoas já experimentou esses sintomas de medo. Dicas de respirar fundo e tentar se acalmar são comuns para enfrentar a situação. No entanto, um novo estudo descobriu que o problema pode ser resolvido de melhor forma se a pessoa abraçar o nervosismo e transformá-lo em animação. As informações são do The Huffington Post.

"Quando você se sente ansioso, está ruminando demais e com foco em potenciais ameaças", disse Alison Madeira Brooks, autora do estudo e professora assistente de administração de empresas na Harvard Business School. "Nestas circunstâncias, as pessoas devem tentar se concentrar nas oportunidades potenciais. Vale a pena ser positivo e dizer que está animado. Mesmo que seja difícil acreditar em um primeiro momento, proferir "estou animado" aumenta os sentimentos autênticos de emoção”, acrescentou.

Alison explicou que a ansiedade é um sentimento de valência negativa com alta excitação e que a emoção é um sentimento de valência positiva, com alta excitação. O neurocientista da Universidade de Stanford, Philippe Goldin, afirmou que a ansiedade é normal e muitas vezes útil para focar a atenção. Quando ela fica acima de um limite tanto em intensidade como em duração é que se torna corrosiva e prejudica o indivíduo.

O estudo incluiu três experimentos separados. No primeiro, 140 homens e mulheres foram convidados a fazer um discurso que seria filmado. Antes de dar o discurso, algumas pessoas foram orientadas a dizer: "eu estou animada." Outras foram instruídas a dizer: "eu estou calma". Aquelas que se disseram animadas foram classificadas como mais persuasivas e descontraídas.

No segundo experimento, 188 homens e mulheres tiveram que resolver problemas difíceis de matemática. Antes da missão, alguns leram "tente ficar animado", enquanto outros "tente manter a calma". O primeiro grupo se saiu melhor do que o segundo.

A experiência final envolveu 113 homens e mulheres que foram direcionados para cantar uma canção no karaokê. Aqueles que foram orientados a dizer que estavam animados antes de cantar marcaram 80% por cento, em média. Aqueles que foram orientados a dizer que estavam calmos, com raiva, triste ou ansiosos antes de cantar marcaram menos.

Os pesquisadores compararam os resultados ao que é experimentado em uma montanha russa, em que a pessoa transforma o medo em algo bom. Acontece a reinterpretação dos sentimentos viscerais das respostas fisiológicas de ansiedade e temor.  

Leia Também