Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 11 de dezembro de 2018

circulação

Tráfico da Rocinha movimenta até R$ 2 milhões por semana

20 ABR 2011Por r700h:00

Apesar de a Polícia Civil ter comemorado a apreensão de três toneladas de maconha, avaliadas em aproximadamente R$ 3 milhões, os traficantes da Rocinha, em São Conrado, na zona sul do Rio, são capazes de recuperar o prejuízo em pelo menos 15 dias.

De acordo com estimativas da Dcod (Delegacia de Combate às Drogas), a venda de drogas na favela movimenta de R$ 1,8 milhão a R$ 2 milhões por semana. Em um mês, a circulação de dinheiro pode girar em torno de R$ 8 milhões. A Rocinha é considerada a favela que mais vende drogas no Rio de Janeiro, principalmente cocaína.

Dominado pela mesma facção criminosa, o Complexo de São Carlos, no Estácio, região central da cidade, movimenta aproximadamente R$ 1 milhão, de acordo com a contabilidade da quadrilha apreendida pela Dcod.

A localização da Rocinha, numa das regiões mais nobres da cidade, é favorável ao tráfico pelo alto poder aquisitivo da população que vive nos bairros da região. Segundo o delegado Pedro Medina, uma modalidade que vem ganhado força na Rocinha é o investimento nos chamados vapores.

- É uma modalidade que vem ganhando força principalmente após a implantação das UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora). As pessoas pegam a droga na favela para revender no asfalto. É uma forma muito lucrativa, porque os usuários não precisam ir até a favela para comprar a droga.

Outra modalidade frequente na zona sul é o disque-drogas, na qual motociclistas levam a droga em casa. A Rocinha é uma das poucas favelas onde há refinaria de cocaína. Apesar de nenhuma delas ter sido encontrada durante a operação desta terça-feira (19), foram achadas embalagens de produtos químicos usado no processo de refino da droga.

Abrigo para refugiados de UPPs

A favela da zona sul se transformou em abrigo para líderes do tráfico de outras favelas onde os traficantes perderam território para as UPPs. O criminoso conhecido como Coelho, que gerenciava a venda de drogas no Complexo de São Carlos, tinha até uma casa na favela.

De acordo com policiais ouvidos pelo R7, o criminoso ganharia uma boca de fumo lucrativa na Rocinha, caso fortalecesse o tráfico local com dinheiro e fuzis usados no São Carlos. A proposta teria sido feita por Nem, chefe do tráfico na Rocinha, mas não se concretizou.

Outros líderes do São Carlos, conhecidos como Lindinho e Jiló também estariam na Rocinha, assim como chefes do tráfico no morro dos Macacos, em Vila Isabel, na zona norte do Rio, conhecidos como Scooby e Bebezão.

Nenhum deles foi preso, embora a polícia tenha encontrado a casa de Coelho na Rocinha. Um dos motivos apontados para a falta de prisões importantes foi o vazamento de informações da operação, que a Polícia Civil não confirmou.

A operação desencadeada nesta terça-feira, contou com cerca de 200 policiais civis de várias delegacias. Até o fim da manhã de terça, 11 pessoas haviam sido presas e 42 veículos apreendidos. Além da droga, foram estouradas duas centrais clandestinas de TV por assinatura e um local onde eram produzidas mídias piratas. Farto material falsificado, como tênis e roupas também foram encontrados.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também