Traficante Nem da Rocinha é absolvido da acusação de lavagem de dinheiro

Traficante Nem da Rocinha é absolvido da acusação de lavagem de dinheiro
06/09/2012 20:00 - ig


A Justiça do Rio de Janeiro absolveu na última quarta-feira (5) o traficante Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem da Rocinha, da acusação do crime de lavagem de dinheiro. Ele era réu em um processo que tramitava na 29ª Vara Criminal da Capital.

Segundo denúncia do Ministério Público Estadual, Nem foi acusado de lavar o dinheiro obtido no tráfico de drogas em empresas que estavam em nomes de supostos "laranjas", na compra de um carro para a sua namorada, Danúbia de Souza Rangel , e em uma residência de "alto padrão aquisitivo", ou seja, composta por móveis e demais objetos caros.

Nem está preso desde novembro no presídio de segurança máxima de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. A polícia investiga se ele ainda controlaria o tráfico na favela da Rocinha, na zona sul carioca.

É a segunda vez, em pouco mais de um mês, que Nem é absolvido em um processo criminal. No final de julho, o traficante fora inocentado na ação em que era acusado de oferecer dinheiro a PMs do Batalhão de Choque na ocasião em que foi preso fugindo da Rocinha. Ele ainda responde a outros processos por tráfico de drogas e sequestro.

Investigações

De acordo com as investigações, o dinheiro do tráfico teria sido usado na abertura de duas empresas, uma de acessórios para veículos e outra de comércio de gelo, que estavam em nome de Vanderlan Barros de Oliveira, o Feijão , que foi assassinado este ano. Feijão era apontado como uma espécie de "tesoureiro" de Nem.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".