Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

POLÍTICA

Trabalho diferenciado

Trabalho diferenciado
20/04/2010 20:33 -


Em vez de música clássica, a mais tradicional música sertaneja de raiz. É nisso que aposta a Orquestra Revoada Pantaneira, criada em 2007, por André Luiz Severino, com formação em violino e apaixonado pela viola caipira. "É uma orquestra de cordas, que faz uso de efeitos como canto de pássaros e toque de berrante. É um som bastante peculiar", defende André Luiz.

Paulistano, André veio para Campo Grande em 2002, onde começou a dar aulas de música. Foi durante esse período que teve a ideia de criar um grupo para divulgar e resgatar a música caipira. "O grupo foi montado com os alunos de maior destaque e começamos a tirar canções de nomes importantes como Tonico e Tinoco, Tião Carreiro, entre outros", lembra.

Todas as músicas passam por adaptações feitas pelo próprio regente. "Eu faço arranjos, mas não mudo a estrutura das canções, deixando-as bem próximas do original para que o público as reconheça. Como não são cantadas, utilizamos os violinos para fazer algo semelhante às vozes, e as violas caipiras fazem a base e os solos. Contudo, isso não é uma regra imutável", indica.

Segundo André, a Orquestra Revoada Pantaneira foi a primeira a unir instrumentos eruditos, como o violino, e a viola caipira. "Orquestras caipiras são comuns no Brasil inteiro, mas a forma como executamos as canções são únicas", acredita. Além da Revoada Pantaneira, o músico rege a Orquestra Revoada Pantaneira Jovem e a Orquestra Som da Indústria, do Serviço Social da Indústria (Sesi). Esta conta apenas com violas caipiras.

O trabalho do grupo tem sido reconhecido nacionalmente e os convites para se apresentar em festas e espetáculos fora do Estado têm se tornado cada vez mais comuns. "A viola caipira é um instrumento tradicional, que chegou ao Brasil logo após o descobrimento, por volta de 1550. Nosso papel é torná-lo popular", finaliza André. (TA)

Felpuda


Vêm aumentando que só os disparos de segmentos diversos contra cabecinha coroada que, até então, acreditava voar em céu de brigadeiro. O novo coronavírus chegou, ganhou espaço, continua avançando e atualmente tem sido o melhor cabo eleitoral dos adversários. A continuar assim, sem ações mais eficazes, o estrago político poderá ser grande. Observadores mais atentos têm dito que o momento não é de viver o conto da “Bela Adormecida”. Só!