segunda, 23 de julho de 2018

Torcida do Coritiba promove quebra-quebra

6 DEZ 2009Por 22h:15
     

        Da redação

        Após a invasão de gramado e o confronto com a polícia de torcedores do Coritiba, neste domingo, no estádio Couto Pereira, quatro pessoas ficaram feridas, segundo o capitão Mello, do Corpo de Bombeiros de Curitiba. Tumultos foram registrados também em vários pontos da cidade.

        O empate por 1 a 1 do time da casa com o Fluminense selou o rebaixamento da equipe paranaense para a Série B do Campeonato Brasileiro.

        Na confusão, um dos seguranças do Fluminense, Márcio de Jesus, foi agredido e quebrou o braço.

        "Temos uma questão cultural no Brasil. A torcida do time perdedor não aceita a derrota e, lamentavelmente, essas coisas aconteceram. O contingente policial parecia suficiente, mas não temos como dizer de quem foi o erro. Tínhamos duas ou três vítimas inconscientes e como não haveria condições de a ambulância chegar ao local, optamos pelo auxílio do helicóptero. Todos já foram levados ao hospital e estamos torcendo pelas suas respectivas melhoras", afirmou o capitão Mello.

        Diversos objetos foram utilizados pelos torcedores para agredir os policiais, incluindo barras de ferro, bancos e até equipamentos de profissionais de fotografia que faziam a cobertura da partida.

        O Flumimense chegou a 46 pontos e terminou na 16ª posição, fora da zona de rebaixamento. O Coritiba, com 45, terminou em 17º e disputará a segunda divisão.

        Possível punição

        Segundo o presidente do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), a punição ao Coritiba vai depender do que relatar o árbitro Leandro Vuaden (Fifa-RS) na súmula do jogo.

        "O clube é o mandante e responsável pela organização e repressão. Mas tudo vai depender do que for relatado na súmula do jogo, para só então a corregedoria do STJD poder entrar em ação e analisar as penas cabíveis", disse Rubens Aprobatto. (informações da Folha) 

Leia Também