Segunda, 18 de Dezembro de 2017

NOVAMENTE 'VILÃO'

Tomate mais caro puxa alta no preço da Cesta Básica

7 JAN 2014Por DA REDAÇÃO13h:30

Levantamento realizado pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia (Semac) mostrou que o custo da Cesta Básica Alimentar teve alta de 2,40% no mês de dezembro, em Campo Grande, em relação ao apurado no mês anterior. De acordo com o levantamento, os 15 produtos foram adquiridos por R$ 285,46, contra R$ 278,76 em novembro. No acumulado do ano, o índice apresenta variação positiva de 5,64% e, nos últimos seis meses, queda de 2,88%. Segundo o levantamento dos técnicos da Semac, nove produtos tiveram os preços elevados no último mês do ano, com destaque para: tomate 8,16%; alface 7,84%; laranja 5,24%; margarina 4,50%; açúcar 3,31%; batata 2,47%; banana 1,95%; carne 0,72% e macarrão 0,44%. Os produtos que registraram queda de preços foram arroz 3,69%; sal 2,22 %; óleo 1,08% e feijão 0,90%, enquanto que o pão e o leite mantiveram seus preços inalterados.

Com a produção do tomate afetada pelas chuvas ocorridas no mês em questão, o produto diminuiu seu volume ofertado no mercado interno causando aumento em seu preço. Já a alface (+7,84%) e a laranja (+5,24%) tiveram o período de entressafra, com baixa oferta no mercado, como fator decisivo para a variação. Alguns estabelecimentos pesquisados fizeram promoção de arroz, fazendo com que seu preço registrasse queda 3,69%. O volume ofertado de óleo esteve alto em decorrência da safra da soja que bateu recorde de produção, registrando baixa de 1,08%.

Já a Cesta Básica Familiar registrou alta de 1,02% em Campo Grande, em relação ao apurado no mês anterior. Os 44 produtos avaliados puderam ser adquiridos por R$ 1.275,29. No levantamento anterior, os mesmos produtos estavam custando o total de R$ 1.262,42. No acumulado dos últimos seis meses, a Cesta Básica Familiar apresenta alta de 0,54% e nos últimos 12 meses elevação de 6,67%. Dentre os 44 produtos pesquisados, 27 apresentaram alta nos preços, dez tiveram queda e sete mantiveram os preços inalterados.

Leia Também