Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

PROCESSO MILIONÁRIO

TJ julga ação de R$ 3,5 milhões contra o Estado

11 MAR 11 - 00h:00DA REDAÇÃO

Os desembargadores da 5ª Turma Cível começaram a julgar, ontem (10), um recurso de apelação de uma ação de indenização por danos morais e materiais contra o Estado, com valor da causa de R$ 3.530.568,04, segundo revelou o advogado em sua sustentação oral. Trata-se da apelação cível e relatoria do desembargador Luiz Tadeu Barbosa Silva.

Narra a ação que C.R.V. havia sido aprovado em concurso público para a Polícia Militar do Estado, iniciando, em Dourados, o curso de formação de policial militar. Como o Estado não dava boas condições de alimentação e de alojamento, o jovem policial começou a se alimentar fora do batalhão. No dia 29 de junho de 2007, antes das 19h, o policial em formação obteve autorização para ir até a cidade para jantar. No retorno, em sua motocicleta recém adquirida, em uma rotatória, o policial derrapou no asfalto, batendo em um caminhão que estava mal estacionado na via pública, e faleceu.

Argumentando ter ocorrido negligência do Estado, ao não fornecer boa alimentação e alojamento ao soldado em formação, forçando o policial a buscar alimentação fora da corporação, os pais do falecido ajuizaram ação de indenização, julgada improcedente no juízo singular. O juiz decidiu que “que não houve qualquer participação, ação ou omissão do Estado no evento de que decorreu a morte de C.R.V.; este não estava em viatura da Polícia Militar, não estava de serviço, não estava empregando seu veículo particular ao serviço público, não colidiu contra veículo de propriedade do ente público e nem competia ao ente público estadual manter, conservar ou iluminar a via pública onde ocorreu o acidente”, por isso julgou improcedente o pedido.

Os pais do jovem ingressaram com apelação e, em seu voto, o relator destacou a ausência de responsabilidade do Estado, quer objetiva, quer subjetiva. “Não porque a teoria do risco administrativo deixa de lado a hipótese de omissões, mas porque é imprescindível que haja nexo de causalidade entre a ação ou a omissão administrativa do Estado com o dano, mantendo, nesse aspecto, a sentença de primeiro grau”, apontou o desembargador Luiz Tadeu.

O relator, no entanto, concedeu aos autores a indenização pelo auxílio funeral e pelo translado do corpo do jovem policial, dando provimento parcial ao recurso. Como houve pedido de vista do revisor, desembargador Júlio Roberto Siqueira Cardoso, a conclusão do julgamento desse recurso está prevista para o próximo dia 17 (quinta-feira) data da próxima sessão da 5ª Turma Cível.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Operação do Gaeco mira fraudes em licitações de prefeitura em MS
VICENTINA

Operação do Gaeco mira fraudes em licitações de prefeitura em MS

Irmã Silvia Vecellio Sai recebe comenda de referência aos diretos humanos
HOMENAGEM

Irmã Silvia Vecellio Sai recebe comenda de referência aos diretos humanos

Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 25 milhões
LOTERIA

Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 25 milhões

Passa em 1ª votação projeto que prevê indicação de diretores em escolas
AUTORIA DO GOVERNO

Escolas poderão ter diretores indicados pelo Estado

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião