Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Tiroteio e morte em briga generalizada dentro de boate

Tiroteio e morte em briga generalizada dentro de boate
27/03/2010 04:39 -


Carlos Achucarro, de 40 anos, foi assassinado na madrugada de ontem, durante uma briga generalizada na boate Casa Rosa, na Rua Internacional, em Ponta Porã, próximo à fronteira com o Paraguai. Houve muita confusão e tiroteio no local, confronto que acabou com a prisão de sete homens e um adolescente. Ninguém assumiu a autoria do homicídio. De acordo com as informações divulgadas pela Polícia Militar, no início da madrugada o plantão do 4º Batalhão foi acionado e enviou uma equipe à boate Casa Rosa, onde estaria ocorrendo uma troca de tiros. No mome nt o em que c hega ra m ao est a be lec ime nto, os m i l it a r es e n - contraram vários homens atirando uns contra os outros, inclusive na direção d a gu a r n ição d a PM. Ao perceber a presença dos policiais, vários dos envolvidos na briga tentaram fugir, pulando muros. Ainda conforme a polícia, dois homens foram encontrados em terrenos vizinhos e presos junto com os demais que haviam sido rendidos no pátio da boate. Ninguém soube explicar como começou a briga que envolveu um grande número de frequentadores da casa noturna. Houve quebra de cadeiras, mesas, vidros e de portas. Corpo Num dos cômodos da boate, a polícia encontrou Carlos Achucarro caído e já sem vida. Ele foi atingido por um tiro na altura do peito. O autor do disparo contra a vítima e a arma usada no crime não foram encontrados. Nenhum dos oito detidos por envolvimento na briga e na troca de tiros assumiu a autoria do homicídio ou mesmo apontou o responsável pelo disparo contra Carlos Achucarro. Testemunhas também não souberam explicar à polícia a origem da confusão. Todos foram levados para a 1ª Delegacia de Polícia de Ponta Porã, junto com duas motos e duas caminhonetes apreendidas no local.

Felpuda


Prefeitura de município do interior de MS recebeu recomendação do Ministério Público do Estado no sentido de exonerar servidores comissionados, livres do cartão de ponto, que são parentes de secretários da administração e de vereadores. O nepotismo se tornou um excelente “negócio” por lá, e se até o dia 6 de agosto as devidas providências não forem tomadas, medidas serão adotadas, como ação por improbidade administrativa. Tem gente que não aprende mesmo, né?