CIDADES

Tiro que matou menor em assalto era para impedir perseguição

Tiro que matou menor em assalto era para impedir perseguição
19/02/2010 08:29 -


O disparo que provocou a morte do adolescente Paulo Henrique Rodrigues, de 17 anos, durante assalto na última quarta-feira, no Bairro Jardim Tarumã, tinha por objetivo impedir que ele perseguisse os ladrões. A conclusão é da Polícia Civil, que está investigando o crime. O assalto aconteceu no final da manhã de quartafeira, na Mercearia Vidal, localizada na esquina das ruas Acaiá e Itaoca. A vítima, que era parente dos proprietários do estabelecimento comercial, estava do outro lado da rua quando foi baleada. O caso foi encaminhado ontem para a Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf), responsável pela investigação e pelo encaminhamento do inquérito. Sem perseguição Para a Polícia Civil, com base nas diligências preliminares desenvolvidas em torno do crime, o jovem não se envolveu no assalto e os ladrões dispararam em sua direção com a intenção de intimidá-lo para que não se envolvesse em uma possível perseguição. Paulo Henrique trabalhava na bicicletaria dirigida pelo padrasto, Ivanilton de Souza Neves, 32 anos. Na quarta-feira, Paulo Henrique foi baleado por volta das 11h30min, durante um assalto à Mercearia Vidal. Ele consertava a bicicleta de um vizinho, no outro lado da rua, quando foi acertado por um disparo feito pelos bandidos. Ele levantou-se ao ver o roubo que estava acontecendo na mercearia dos parentes e um tiro acertou-lhe o peito. O adolescente não resistiu aos ferimentos e morreu antes de chegar ao Centro Regional de Saúde da Coophavila II, bairro próximo ao Jardim Tarumã. A família ficou abalada com o crime e conta que esse foi o segundo assalto à mercearia em duas semanas. Os ladrões levaram R$ 40 e fugiram a pé. A Polícia Militar foi chamada ao local, e fez buscas, mas não conseguiu encontrar nenhum dos assaltantes. Ainda não há pistas dos marginais.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".