domingo, 15 de julho de 2018

Tire suas dúvidas sobre proteção solar e bronzeado seguro

6 DEZ 2010Por DA REDAÇÃO23h:00

O início do verão aumenta consideravelmente o tempo que passamos sob o sol, o que exige  muito cuidado, pois a radiação ultravioleta em excesso pode causar inúmeros danos à saúde, como câncer de pele e envelhecimento cutâneo. Assim, para aproveitar sem medo a estação mais quente do ano, é preciso apostar em medidas de proteção solar, que devem ser iniciadas já na primeira infância. 

Está comprovado que uma pessoa recebe 80% da radiação solar a qual se expõe antes dos 18 anos de idade, tendo em vista que as crianças e jovens passam um bom tempo ao ar livre. Por isso, não adianta começar a usar protetor solar só quando adulto ou ao ir à praia ou piscina. O ideal é usá-lo diariamente”, enfatiza a dermatologista Eliandre Costa Palermo (CRM-SP 78723), Vice-Presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD).

Na entrevista abaixo, a médica explica sobre a importância do uso de protetor solar e, para quem gosta, ensina como ficar com o corpo bronzeado de forma saudável, sem danificar a pele. Acompanhe:

1.Por que é importante proteger a pele da exposição solar, principalmente no verão? Como uma pessoa deve-se cuidar?

O protetor solar protege a pele do câncer, do fotoenvelhecimento e ajuda a evitar manchas, rugas e flacidez. Outro ponto importante é que, quando se usa o produto, o organismo tem tempo de promover um aumento de melanina gradual e efetivo que permite adquirir aos poucos um bronzeado leve e seguro. Seu uso deve ser constante e não podemos esquecer que, além do rosto, áreas como lábios, orelhas e mãos também têm de ser protegidas, pois são extremidades que ficam expostas o tempo todo.

Quanto mais branca for a pele da pessoa, maior deve ser o fator de proteção. O protetor, em um país ensolarado como o Brasil, deve ser usado até em dias nublados, pois 80% das radiações ultrapassam as nuvens. Também é importante evitar o sol entre as 11 e as 15 horas, quando seus raios são mais intensos. A proteção pode ser completada com o uso de boné ou chapéu, especialmente se existir tendência familiar ao câncer de pele.

No corpo, deve-se aplicar protetor solar com FPS 30 nas áreas fotoexpostas, como braços, colo e pernas. Calças compridas e camisas de manga longa de tecidos leves também são boas opções, assim como as “sombrinhas”, que podem ser usadas nos dias mais quentes por quem se locomove a pé.

2. O que fazer para preparar a pele para conseguir um bronzeado saudável?

Para se conquistar o bronzeado desejado, sem a exposição excessiva ao sol, é necessário manter uma dieta rica em carotenóides (alimentos com coloração laranja e amarelo são os mais comuns) no mínimo um mês antes de iniciar o processo de bronzeamento e também durante o período de exposição intensa ao ar livre. Deve-se ainda hidratar o corpo, com ingestão de muito líquido, e aplicar diariamente hidratantes corporais e faciais compatíveis com o tipo de pele, após o banho. Outra dica é fazer uma esfoliação semanal nas áreas mais queratinizadas, como cotovelos, joelhos e pés, durante o banho.  Indica-se a aplicação de um bom filtro solar 30 minutos antes de ir à praia ou à piscina. É importante que o produto seja adequado ao seu  tipo de pele e seja reaplicado a cada 2 horas, generosamente. Assim, é possível obter um bronzeado gradativo, sem agressão à derme e com duração bem maior.

3.Quais os cuidados necessários para manter o bronzeado por mais tempo?

O principal hábito para manter um bronzeado saudável e por mais tempo é cultivar uma dieta balanceada, essencial para o bom funcionamento de todo o organismo. Sendo a pele o maior órgão que temos, então nada melhor do que comer bem, para manter  pele, unhas e cabelos saudáveis e bonitos. Além de manter a hidratação adequada, vale lembrar que se a pessoa exagerou nos primeiros dias de exposição ao sol, a chance da pele descascar é maior.

4.Podemos considerar a alimentação como um fator de influência na saúde da pele para quem deseja ter um bronzeado saudável e natural?

A alimentação equilibrada é sempre vital, independentemente de a pessoa se expor ou não ao sol. Mas, alguns alimentos melhoram o aspecto da pele e intensificam naturalmente o bronzeado. São eles: cenoura, mamão, manga, melão, abóbora, laranja e as folhas verdes, como salsa, repolho, couve, espinafre e agrião, ricos em betacaroteno, nutriente que se transforma em vitamina A no organismo e protege as células dos danos solares. Outro hábito saudável na dieta equilibrada é ingerir líquido em forma de água ou sucos, que ajudarão no bom funcionamento do metabolismo celular de todo corpo.

5.Que tipo de protetor é essencial para quem vai se expor ao sol?

É fundamental usar um protetor solar com FPS 30, que deve ser aplicado nas regiões fotoexpostas, como rosto, colo, pescoço, braços, mãos e pernas, mesmo quando não se está na praia ou piscina.

6.O que deve ser feito para não "passar do ponto" durante a exposição ao sol?

Como comentei, o ideal é tomar banho de sol antes das 10h e após as 15h. Porém, se a pessoa preferir permanecer ao ar livre, ela deve optar por ficar na sombra nesse intervalo e reaplicar o filtro solar com maior frequência. O uso de chapéu e óculos escuros também ajuda na proteção.

7.De uma geral, conte o que pode acontecer com alguém que não se protege durante a exposição solar.

O principal pecado que uma pessoa comete é NÃO USAR Filtro solar. Se a pessoa não se proteger, como resultado imediato, ela terá uma queimadura solar com vermelhidão, dor, bolhas, descamação, manchas claras e escuras, sem bronzeado. Como consequência tardia, podemos destacar o fotoenvelhecimento, terreno fértil para o câncer da pele. Hoje, os protetores solares estão cada vez mais desenvolvidos e adaptados a cada tipo de pele e precisam ser utilizados sempre.

8.Qual o fator de proteção solar mais eficaz?

Dependendo da cor da pele, o fator de proteção precisa ser maior. Peles claras necessitam de FPS 30. Já em peles negras apenas o FPS 15 é eficaz. Como no Brasil há uma miscigenação de raças, quanto maior o FPS mais seguro. Recomenda-se a sua reaplicação após transpiração excessiva, mergulhos e também a cada 2 horas, dependendo do local e tipo de pele.

9. Quais são os tipos de manchas provocadas pelos raios solares?

As manchas mais comuns são as sardas, ou efélides, as melanoses solares e o melasma. As sardas são manchas pequenas que aparecem na infância e, normalmente, somente em pessoas de pele clara e em áreas expostas ao sol. São comuns na face, mas podem acometer outras áreas expostas, como braços, colo, dorso, pernas etc. As melanoses solares são manchas que se desenvolvem com a idade, e estão presentes nos adultos de meia idade, a partir dos 40 anos ou mais. Também são relacionadas ao sol e indicam exposição excessiva e podem aparecer em peles claras ou mesmo em morenas claras. Acometem face colo e mãos, preferencialmente. Já o melasma é uma hiperpigmentação da face que aparece normalmente em decorrência de alterações hormonais, gestação, uso de anticoncepcionais, sendo que a exposição ao sol sem proteção piora o quadro clínico. Sua localização é sempre na face – acomete a região malar, testa e queixo.

Sobre a Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD)

Fundada em 1988, a Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD) atua nas áreas de Cirurgia Dermatológica e procedimentos relacionados, por meio da promoção do ensino, pesquisa, realização de congressos e eventos científicos. A Cirurgia Dermatológica é uma área da Dermatologia que engloba todos os procedimentos realizados na pele e tecido celular subcutâneo, sejam eles diagnósticos, cirúrgicos, cosmiátricos ou oncológicos.

A SBCD atua somente segundo normas éticas e padrões técnicos rigorosamente aprovados pela comunidade científica mundial. Com 1500 associados, a Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica está entre as maiores sociedades de Dermatologia do mundo.

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica é formada apenas por associados altamente qualificados, detentores de título de especialista e aprovados por rigoroso concurso e prova realizada e certificada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e Associação Médica Brasileira (AMB).

Leia Também