LIBERTADORES

Timão segura o Boca em La Bombonera

Timão segura o Boca em La Bombonera
27/06/2012 23:06 - terra


A estrela de Romarinho brilhou novamente pelo Corinthians. Apenas três dias depois de marcar dois gols no clássico contra o Palmeiras e decretar o primeiro triunfo do time no Campeonato Brasileiro, o jovem, inscrito somente na semifinal da Copa Libertadores, salvou o time do Parque São Jorge em plena La Bombonera. Com um gol do atacante, o time brasileiro conseguiu arrancar um empate por 1 a 1 do Boca Juniors e evitar a desvantagem em sua primeira decisão continental.

O gol de Romarinho melhora, e muito, a situação corintiana em busca do sonho do título inédito da Copa Libertadores. Para ser campeão da América do Sul pela primeira vez, o Corinthians precisará vencer o Boca Juniors no Estádio do Pacaembu. Um novo empate, independentemente da quantidade de gols para cada time, forçará 30 minutos de prorrogação - em nova igualdade, pênaltis (na decisão, os gols fora de casa não contam como critério de desempate).

A promessa de Tite de não se limitar a minar o jogo do Boca Juniors se cumpriu nos primeiros minutos da partida desta quarta-feira. O Corinthians procurou adiantar a marcação e pressionar a saída de bola do time argentino por alguns momento. A partir dessa medida de postura, o time brasileiro quase abriu o placar aos 7min. Paulinho, depois de roubada de bola, arriscou de longe e obrigou Orión a espalmar para escanteio.

O bom momento criado pelo Corinthians, entretanto, não se repetiu no restante da primeira etapa. A equipe do Parque São Jorge, aos poucos, recuou para o campo defensivo a fim de esperar o Boca. Compacto, o clube brasileiro conseguiu fechar bem os espaços, especialmente quando Juan Román Riquelme possuía a posse de bola, e impedir grandes sustos.

A principal chance criada pelos argentinos acabou justamente bloqueada pela defesa corintiana. Em ótima triangulação pela direita, Riquelme achou Mouche, que cruzou na medida para o meio da área. O centroavante Santiago Silva, em um raro momento de liberdade, acertou um belo voleio e assustou Cássio, que viu Alessandro afastar o perigo.

A pressão argentina esperada pelos corintianos ocorreu depois do retorno do intervalo. O Boca Juniors voltou a campo apertando a marcação no campo de ataque e dificultando a saída de bola corintiana. Assim, com desarmes mais próximos à área, o time argentino ameaçou, controlando de fato a partida pela primeira vez.

A grande chance boquense surgiu aos 16min. Após forte pressão no campo corintiano, Riquelme recebeu bom passe de Mouche e arriscou de primeira. A bola passou perto da meta defendida por Cássio. O lance sacramentou a mudança no panorama da partida e ratificou a, enfim, esperada atitude argentina para este primeiro duelo.

O Corinthians pouco conseguiu ameaçar a meta de Orión e recuou. O Boca, por sua vez, cresceu, e obteve a tão sonhada vantagem. Aos 27min, Riquelme cobrou escanteio pela esquerda na medida para Santiago Silva, que cabeceou para o gol. Chicão, com a mão, evitou o tento. Contudo, na sobra, Roncaglia aproveitou e estufou as redes.

O gol do Boca Juniors obrigou o Corinthians a sair, e Tite a mudar. O treinador corintiano apostou na principal estrela do time do Parque São Jorge no clássico do último domingo, contra o Palmeiras. E, depois de anotar dois tentos contra o arquirrival corintiano, Romarinho ratificou que tem estrela. Aos 40min, Emerson lançou o jovem jogador, que brilhou. Um toque com categoria na saída de Orión e o empate em La Bombonera.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".