MAUS-TRATOS

Thiaguinho demite funcionário que jogou bomba em cachorra

Thiaguinho demite funcionário que jogou bomba em cachorra
01/07/2012 14:48 - R7


Thiaguinho anunciou em seu Twitter neste domingo (1º), que demitiu o funcionário de sua equipe que jogou uma bomba em uma cachorra, em Campinas, em São Paulo. O músico se apresentava na cidade neste sábado (30), quando o vice-presidente da ONG UPA (União Protetora dos Animais), César Rocha recebeu uma denúncia de maus-tratos animal. Um funcionário de Thiaguinho jogou uma bomba em uma cachorra próximo ao Hotel Nacional Inn. O animal de raça desconhecida era mascote dos taxistas do local, que alimentavam o bichinho.

A cachorra foi socorrida por César que abriu um boletim de ocorrência da 5º DP. Segundo o boletim, as características e tamanho da bomba são desconhecidos. Testemunhas do local e funcionários de uma borracharia, que não quiseram se identificar, confirmaram a agressão. Thiaguinho soube da notícia pela manhã e averiguou com sua equipe, que o fato realmente aconteceu. O músico anunciou que demitiu o funcionário e que pode adotar o animal.

— Apesar de gostar muito desse funcionário, a atitude dele não me deu escolhas. Tive que demitir. Fiquei tão triste com o acontecido que quero adotar esse animal inocente... Caso ela já não tenha dono, e dar o suporte necessário.

O pagodeiro disse ainda que o funcionário garantiu que “não tinha intenção de machucar” a cachorra. Ela teve quebra de maxilar, dentes arrancados, tímpano estourado, queimaduras na língua e céu da boca. 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".