Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Teste Onze

15 SET 10 - 11h:14

Ruas costumam ganhar nomes que inspiram, como Liberdade, ou que reverenciam quem inspirou. Que tipo de homenagem traria a Onze de Setembro, ruela de dez esquinas no classe média Itanhangá? “Eu acho que é em minha homenagem, porque eu sou contra o Bush”, opina Zaira Catarina Portela, 81 anos ― metade deles no mesmo endereço. Quando chegou ao lugar, três décadas antes do atentando terrorista que estarreceu o mundo e fez norte-americanos mostrarem os dentes aos árabes, as cartas já chegavam endereçadas com esse nome. Então, concluímos que não há onda contrária aos Estados Unidos por lá? Mais ou menos: “Eu não gosto de americanos, nem do Bush”, diz Zaira, “porque ele fazia muita maldade para o mundo. O Obama é diferente, porque ele é mimoso, ama a família e tem muito coração”, defende a professora aposentada, eleita vereadora por dois mandatos em Ponta Porã.

 

À noite, a Onze de Setembro não tem atrativos. De dia, tampouco. Algumas portas comerciais começam a se abrir para clientes em busca de imóveis e outros serviços, mas famílias ainda são maioria. O pouco movimento de carros aproveita o acesso ao centro da cidade, com menor tráfego. O paraguaio Arsênio Ortiz, “de 60 e poucos”, recebe um ou outro interessado em cortar o cabelo e fazer a barba. “Hoje é muito fácil se barbear em casa, com esses aparelhinhos de plástico que vendem em supermercados...”, diz, em compreensível desprezo pelos “aparelhinhos”.

 

Sabe por que o nome da sua rua, Ortiz? “Não, nem sei”, solta, espreguiçando-se na cadeira de fio no canto do salão. Agora que os homens diminuíram as idas ao barbeiro, sobra tempo para cochilos ao pé de televisão. E por falar nela: “Já passou muita gente da televisão aqui”, conta o barbeiro, “os daquela novela que se passava no Pantanal vinham aqui cortar e, esses tempos, umas meninas fizeram um trabalho comigo e ganharam primeiro lugar”.O cartão de visita está na parede: a nota de compra das suas duas cadeiras data de 1934. As relíquias custaram R 1640 $ 000 ― era assim que se escrevia 1,64 milhão de réis, o bisavô do real, que circulou de 1833 a 1942.

 

Ortiz e Zaira, que adora novelas, são velhos conhecidos. Viveram em Ponta Porã, quando a erva-mate tinha mais fôlego do que o comércio de bugigangas eletrônicas paraguaias. “Meu pai era produtor lá”, lembra a ex-professora, que fala em pausas estudadas. Sentada no sofá da sala, ela coloca as mãos nos joelhos quando a conversa toma corpo, e junta-as no ar, em forma de gancho, para dizer que “os americanos sugaram a Latinoamérica”. Aos 81, ela não tem pressa para falar, mas tem para morrer. Dito assim, de maneira direta, parece deseducado com a frágil e receptiva senhora, até beira o mau agouro; mas, como para ela “morrer é trocar de dimensão”, posso afirmar que esse é um desejo de boa viagem, como as homenagens prestadas aos mortos nas placas das ruas. A Onze de Setembro, ao contrário dessa regra póstuma, comemora um nascimento.

 

Na Campo Grande do século passado, chácaras se formaram na beira dos córregos e as famílias cresceram em terras férteis. A urbanização tornou necessária a divisão em lotes, que viraram quarteirões de bairros tradicionais, formados por ruas que contam a história da cidade. Em uma dessas chácaras, o mineiro Theotônio e Teresa Rosa Pires criaram seus filhos. Um deles, Diomedes, nasceu em 11 de setembro. O pai, satisfeitíssimo com a chegada do garoto, lhe deu de presente uma rua, ou melhor, tornou a rua da então Vila dos Rosa Pires memória de seu nascimento. Mas, para quem passa por ali, parece mais um nome de rua em homenagem aos mortos. E o engano não é descabido: Diomedes, como os milhares de cidadãos honrados que viraram nome de rua, morreu há quase duas décadas.


 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Em regime de urgência, vereadores aprovam produtividade de médicos
CAMPO GRANDE

Em regime de urgência, vereadores aprovam produtividade de médicos

Vereadores aprovam "novo Proinc" por unaminidade
CAMPO GRANDE

Vereadores aprovam "novo Proinc" por unaminidade

Homem divulga pesca de Dourado <BR>e é multado em R$ 4,3 mil
REDES SOCIAIS

Homem divulga pesca de Dourado e é multado em R$ 4,3 mil

Câmara aprova projeto que adota postos de saúde
ADOÇÃO

Câmara aprova projeto que adota postos de saúde

Mais Lidas