JAPÃO

Terremoto não provocou vazamentos radioativos, diz agência

Terremoto não provocou vazamentos radioativos, diz agência
11/03/2011 17:50 - France Press


As autoridades japonesas informaram à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) que nenhum vazamento radioativo foi detectado nas centrais nucleares da região afetada pelo terremoto que abalou o país nesta sexta-feira (11).

Horas antes, a AIEA havia indicado que as quatro centrais nucleares japonesas localizadas na região atingida pela catástrofe já foram desligadas e fechadas em segurança.

Em um novo comunicado, a AIEA diz ter sido informada pela Agência Japonesa de Segurança Nuclear e Industrial (NISA) sobre "um nível de alerta elevado na central nuclear de Fukushima-Daiichi", mas a central foi "desligada, e não detectamos nenhum vazamento de radioatividade".

Por outro lado, as autoridades japonesas informaram sobre um incêndio no edifício onde fica uma turbina da central nuclear de Onagawa, mas o fogo foi apagado, segundo a AIEA.

"As autoridades dizem que as centrais nucleares de Onagawa, Fukushima-Daiichi e Tokai foram desligadas automaticamente, e nenhum restro de radioatividade foi detectado", acrescentou a agência.

A AIEA indicou também ter sido informada pelo Centro Internacional de Segurança Sísmica (ISSC, ligado à AIEA), que o Japão foi atingido por um segundo terremoto de magnitude 6,5 nos arredores da costa leste da ilha Honshu, perto da central de Tokai.

A agência ainda está coletando mais informações sobre as outras centrais nucleares do país, principalmente sobre "a rede elétrica das centrais, os sistemas de esfriamento e o estado dos edifícios dos reatores".

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".