Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 18 de dezembro de 2018

mundo

Terremoto de 7,3 graus atinge costa do Japão, mas sem deixar danos

9 MAR 2011Por 09h:13


Um terremoto de 7,3 graus na escala Richter com epicentro no Oceano Pacífico atingiu nesta quarta-feira, 9, a costa nordeste do Japão e gerou um alerta de tsunami, segundo as autoridades locais, mas sem deixar danos.

O tremor demonstrou a preparação do Japão para lidar com os frequentes terremotos no país, que aplica estritas normas de construção para diminuir o impacto dos eventuais danos.

O trem-bala japonês ficou temporariamente paralisado na região afetada, mas voltou a operar em seguida, enquanto duas usinas nucleares continuaram funcionando sem incidentes.

O terremoto ocorreu às 11h45 da hora local (23h45 de Brasília), com epicentro 160 quilômetros ao leste da península de Ojika e a uma profundidade de oito quilômetros, provocando um alerta de tsunami para quatro províncias, aviso que foi retirado três horas depois.

Segundo a Agência Meteorológica do Japão, ondas de 60 centímetros de altura chegaram ao litoral do Pacífico da província de Iwate, mas sem causar danos.

O terremoto foi sentido nas províncias de Miyagi, Iwate, Akita, Yamagata e Fukushima e alcançou a magnitude de 7,3 na escala Richter, indicou a Agência Meteorológica, que anteriormente o estimara em 7,2 graus.

Também tremeram edifícios em Tóquio, onde vivemm 13 milhões de habitantes.

Em Miyagi, o terremoto chegou à intensidade 5 na escala japonesa, que tem nível máximo de 7.

Segundo a Agência Meteorológica japonesa, durante uma semana podem ocorrer réplicas deste forte tremor.

A rede de televisão NHK informou que, apesar da intensidade do terremoto, não funcionaram os alertas de emergência nos normalmente são enviados para os telefones celulares pela Agência Meteorológica.

O Japão está sobre o "Anel de Fogo do Pacífico", pelo que os terremotos são relativamente frequentes, levando o país a implementar rígidas normas de construção e treinar a população para situações deste tipo.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também