Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Tempo é fundamental para recuperação de parentes das vítimas da Kiss

Tempo é fundamental para recuperação de parentes das vítimas da Kiss
26/01/2014 10:15 - AGÊNCIA BRASIL


O professor de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio Grande do Sul e coordenador adjunto do Núcleo de Pesquisa em Trauma e Estresse, Christian Kristensen, foi uma das dezenas de pessoas que ajudaram no resgate dos jovens que estavam, no dia 27 de janeiro de 2013, na Boate Kiss. Para ele, o tempo é fundamental na recuperação psicológica não só das vítimas como, também, da população que foi impactada pela dimensão da tragédia.

A seu ver a lembrança sempre estará presente. Os dois primeiros meses após um acidente como o que ocorreu na Kiss, o esperado é que os sobreviventes consigam retomar à rotina.

Kristensen também é responsável pelo treinamento de profissionais para promover a atenção à saúde mental. O professor explicou que, no caso em questão, no primeiro momento a preocupação maior foi com as condições físicas das pessoas, sem deixar de lado o aspecto emocional.

Hoje, ao comentar o trabalho, ele destacou que “o normal é sentir tristeza, mas aos poucos ir se recuperando”. O professor acrescentou que “se isso não está acontecendo, é preciso buscar ajuda especializada”. Ele ponderou que existem casos que a pessoa não percebe que está tão mal. “Não digo que tem que ficar feliz, mas a vida tem que seguir seu curso”.

Após a tragédia, foi criado o Centro Integrado de Atenção às Vítimas de Acidente (Ciava). O núcleo funciona no Hospital Universitário de Santa Maria e foi instalado por uma parceria entre as esferas federal, estadual e municipal. No local, uma equipe multiprofissional desenvolve o trabalho de acolhimento e atenção básica dos sobreviventes.

Felpuda


Espalhar notícias ruins tornou-se muito mais rápido com o uso da tecnologia, e, além disso, não se trata mais de ações dos adversários. Isso é o que pôde ser visto ultimamente, quando a tchurminha do “aliado” tratou de deixar muita gente informada sobre o que a chamada "grande imprensa” tinha publicado, enviando notícias pelo WhatsApp e postando nas mídias sociais. E assim caminha a humanidade...