CIDADES

Temerosos com avanço de erosão, moradores deixam condomínio

Temerosos com avanço de erosão, moradores deixam condomínio
02/03/2010 05:49 -


Moradores do Residencial Cachoeirinha II – que teve a área de lazer destruída pelo temporal que atingiu Campo Grande no sábado –, começaram a sair de casa temerosos que os deslizamentos de terra continuem e atinjam os blocos de apartamentos. O Corpo de Bombeiros vistoriou o local e garante que, por enquanto, não há risco de que a erosão avance. Contudo, a corporação pede que as famílias fiquem alerta e avisem caso percebam algum risco. Eri ka Jacobi, 30 a nos, mora em um dos apartamentos do Bloco J, que está mais próximo dos estragos, d isse que passou a noite em claro com medo de que o pior acontecesse. “A gente não domina a natureza. Não dá para saber se o resto do condomínio não vai desabar se chover mais”. Ela mora no local com o marido e duas filhas – uma de 6 anos e outra de 6 meses –, mas disse que, embora sejam proprietários do apartamento, estão procurando casa para alugar. “Não vou ficar aqui enquanto não tiver garantia que a situação não vai piorar. Hoje mesmo (ontem) estamos indo passar uns dias na casa da minha mãe”. De acordo com o segurança do residencial, Adilson Burgos, 27 anos, outros moradores do mesmo bloco passaram a noite de domingo fora de casa. “O pessoal está com medo mesmo”, contou. Segundo a administração do condomínio, três famílias deixaram suas residências no domingo. Plaenge Apesar de não ter sido atingido diretamente pelos estragos provocados pela chuva, moradores do Residencial Jardins do Jatobá também mostraram-se preocupados com a situação por estarem próximos ao Córrego Prosa que, com a chuva de sábado, “engoliu” trecho da Rua Ceará e da Avenida R icardo Brandão. Contudo, a Plaenge – empresa que construiu o residencial – garantiu, via assessoria de imprensa, que a estrutura do Jardins do Jatobá não foi afetada. (AZ)
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".