Quinta, 22 de Fevereiro de 2018

COMANDO DA CÂMARA

Temer fala em rodízio entre PT e PMDB

3 NOV 2010Por g100h:59

O vice-presidente eleito Michel Temer (PMDB-SP) disse na noite de ontem (2) que não haverá “intrigas” entre o PT e o PMDB durante a transição de governo. Temer esteve reunido com o presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, em Brasília. Segundo o vice-presidente eleito, os dois partidos poderão se revezar no comando da Câmara dos Deputados. Este foi o primeiro encontro dos dois desde que Dilma Rousseff (PT) foi eleita presidente da República no último domingo (31).

“A ideia é que eu e o presidente Dutra possamos firmar um protocolo pelo qual se estabelece este rodízio [na Câmara]. Agora, quem ocupará o primeiro biênio? Quem ocupará o segundo? É para um segundo momento. Não será tratado neste momento. A ideia é fechar esse acordo para que nós possamos ter um governo tranquilo. Ninguém vai criar dificuldades e nenhuma intriga será feita entre PT e PMDB”, afirmou Temer.

No jantar de ontem, realizado na residência de Temer, os dois começaram a traçar as estratégias para a transição de governo. Temer e Dutra estão na coordenação da equipe escolhida por Dilma na tarde desta terça-feira.

"Nós entendemos que o PT e o PMDB, como os dois maiores partidos da base aliada,  têm a responsabilidade de evitar logo no início do governo uma disputa entre nós. Somos uma coligação vitoriosa e vamos trabalhar para chegarmos a uma solução em relação às mesas da Câmara e do Senado de forma que a maioria que se expressou nas urnas venha a se refletir na composição das mesas”, afirmou Dutra.

Questionado sobre reclamações de alas do PMDB sobre a participação da legenda no novo governo, o Temer reforçou que o clima entre os dois partidos é harmônico. “Se há queixa é isolada. Não há queixa dos dirigentes do partido. A harmonia entre PT e PMDB é absoluta”, disse.

Segundo o vice-presidente eleito, a partir de segunda-feira (8), quando a equipe de transição de governo começa oficialmente a trabalhar, os demais partidos serão ouvidos.

“Vamos começar a ouvir os partidos para identificar como é que nós vamos compor o governo. Não houve um tratamento relativo ao PMDB, mas essa coisa genérica. Naturalmente, a base do novo governo é a mesma base do governo Lula, de modo que não teremos muita dificuldade”, afirmou Temer.

Ao sair do jantar na casa do peemdebista, o presidente nacional do PT afirmou que há um sentimento de "unidade" entre os dois partidos. "Foi uma conversa preliminar, mas que aponta para sentimento de unidade muito grande entre PT e PMDB, no sentido de compor um governo que venha a refletir a pluralidade desta coligação", afirmou Dutra.

Dutra afirmou ainda que a expectativa é apresentar um panorama geral das demandas dos partidos aliados sobre a composição do novo governo. Dutra, no entanto, não quis adiantar se há data definida para o anúncio de nomes.

“Vamos continuar conversando individualmente com os partidos, auscultando os partidos e depois faze uma apresentação par a presidente de como os partidos estão vendo essa questão da composição. Quem vai definir o tempo é a presidente. Nós não temos nenhum poder de definir ministério, nem ocupação de cargos. Ela define o tempo, a forma e a composição”, disse o presidente do PT.
 

Café da manhã

Nesta quarta (3), o vice-presidente eleito se reúne para um café da manhã com Dilma Rousseff, na casa da presidente eleita. Dilma viaja ainda pela manhã para um período de descanso. Além de Temer e Dutra, a equipe que vai coordenar a transição de governo escolhida por Dilma também terá a participação do secretário-geral do PT, José Eduardo Cardoso, e do deputado federal Antônio Palocci (PT-SP).

O grupo poderá ter a presença de até 50 pessoas. A lista inicial com 30 nomes já foi encaminhada por Dilma para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Os nomes que vão integrar a equipe de transição devem ser publicados no Diário Oficial da União.

Leia Também