Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

MORTE DE CACIQUE

Telefonemas incriminam fazendeiros

27 JUL 12 - 00h:00MICHELLE ROSSI

Extratos telefônicos com dezenas de ligações dos seis fazendeiros e equipe da Empresa Gaspem de Segurança entre 6 e 7 horas do dia 18 de novembro, momento da invasão do acampamento Guaiviry em Aral Moreira (MS), são algumas das provas que incriminam o grupo, acusado de matar e depois sumir com o cadáver do cacique Nísio Gomes, 59 anos. As informações demonstram que houve comunicação entre os indiciados pela Polícia Federal como mandantes e executores da morte do indígena.

Constam ainda nos extratos, várias ligações entre os próprios fazendeiros neste mesmo horário – momento da invasão indicado em registros policiais: como primeiro boletim de ocorrência feito do episódio, e inquérito da Polícia Federal, mais relatos de testemunhas oculares. Estas, presenciaram a entrada de pistoleiros em uma área onde estavam cerca de 60 índios com o objetivo de despejar o grupo que havia constituído acampamento no início daquele mês em local considerado sagrado e terra de antepassados indígenas. Nísio foi morto por liderar a resistência do grupo.

Leia mais no jornal Correio do Estado
 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Maioria do STF decide reduzir pena do ex-presidente Lula
CASO DO TRIPLEX

Maioria do STF decide reduzir pena do ex-presidente Lula

Trad solicita ampliação do sinal de internet e telefonia móvel
MELHORIAS MS

Trad solicita ampliação do sinal de internet e telefonia móvel

Veículos em pátio de leiloeira são alvos de furto de peças na Capital
CAMPO GRANDE

Veículos em pátio de leiloeira têm peças furtadas na Capital

Traficante contratava “mulas” para <br>o transporte de drogas na fronteira
OPERAÇÃO APLIQUE

Traficante contratava “mulas” para
o transporte de drogas na fronteira

Mais Lidas