Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Inovação

Tecnologia usa o corpo humano como uma extensão da internet

18 JUL 12 - 01h:00Terra

Imagine abrir uma porta apenas tocando na maçaneta, confirmar uma compra simplesmente tocando no caixa ou imprimir um documento ao colocar a mão sobre a impressora. O ser humano tem um instinto natural para o toque e um corpo que pode funcionar como uma rede.

Aproveitando esta característica, a empresa de tecnologia Ericsson desenvolveu uma tecnologia de acoplamento capacitivo chamada Connected Me, que utiliza as características elétricas do corpo humano, que podem ser modeladas, para transferir dados de um dispositivo a outros.

O Connected Me é "uma tecnologia capaz de conectar dados de uma pequena rede com o mundo afora através do toque", explicou o diretor de inovação da Ericsson, Jesper Rhode, em entrevista ao Terra. "O corpo humano pode ficar ligado à internet através do celular", acrescentou.

Rhode diz que com a funcionalidade é possível transmitir sinais e transferir dados a outros dispositivos móveis que tenham o mesmo recurso. É possível, por exemplo, fazer com que uma música armazenada em seu smartphone seja reproduzida em caixas de som, ou exibir um arquivo de vídeo em um monitor, bastando apenas tocar nos dois dispositivos.
 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Alisson, Firmino e Marquinhos concorrem à Bola de Ouro
FUTEBOL

Alisson, Firmino e Marquinhos concorrem à Bola de Ouro

Gás é reajustado pela Petrobras e preço pode ultrapassar R$ 100 em MS
BOTIJÃO DE 13 QUILOS

Gás de cozinha terá aumento e preço pode ultrapassar R$ 100 em MS

Com problemas de saúde, Zeca do PT deixa presidência do partido
POLÍTICA

Com problemas de saúde, Zeca deixa presidência do PT

Em um ano, número de queimadas quase dobram em Campo Grande
MEIO AMBIENTE

Em um ano, número de queimadas quase dobram, aponta comitê

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião