Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

sábado, 16 de fevereiro de 2019 - 15h28min

Teatro a todo vapor

24 MAR 10 - 07h:14
Quais forças foram responsáveis pela morte de uma liderança indígena na região de Dourados, na década de 1980? Como a violência aparece no cotidiano? O que move uma família marcada pela imobilidade de seus integrantes? O autoritarismo está presente nos instantes mais íntimos das relações pessoais? Um grupo local pode trazer nova perspectiva cênica para um texto emblemático de Nelson Rodrigues? As respostas a essas perguntas estarão nos palcos campo-grandenses ao longo de 2010. Pode até parecer que o silêncio domina a cena teatral, mas esta situação é somente aparente, pois nos bastidores a movimentação é total. Os ensaios estão em pleno andamento. No momento, cinco grupos preparam espetáculos para esta temporada, cada um respondendo a uma pergunta específica formulada acima. O Grupo Teatro Imaginário Maracangalha, que há cinco anos divulga o teatro de rua, ocupa, atualmente, em vários dias e horários, a Praça do Rádio Clube para acertar as arestas de “Tekoha – ritual de vida e morte do deus pequeno”, que contará a trajetória de Marçal de Souza, líder indígena guarani-nhandeva, morto por disputa de terra. “Queremos abrir a reflexão sobre os aspectos do poder que afetam não só os índios, mas outras minorias também. No caso específico do Marçal, como se comportaram no julgamento do assassino dele, o judiciário, a imprensa e outros setores sul-mato-grossenses”, explica o diretor do grupo, Fernando Cruz, que roteirizou as etapas a serem desenvolvidas na peça. Serão cinco atores representado os momentos importantes da trajetória de Marçal, porém, há mais envolvidos no processo. “No total, somos 12 pessoas, incluindo a historiadora Patrícia Rodrigues. Começamos a intensificar os trabalhos no fim do ano passado. Agora, ensaiamos às segundas, terças, quartas e quintas-feiras, das 18h30min às 22h, e aos sábados, das 8h às 12h, na Praça do Rádio Clube”, destaca Cruz. A estreia está prevista para o fim de maio, e a montagem percorrerá várias praças da Capital. O grupo recebeu R$ 12,5 mil do Fundo Municipal de Cultura para colaborar com a montagem. Nova proposta “Incontornáveis – um teatro de incoerência e horror” não será um espetáculo de rua e também não destacará somente o palco italiano – o tradicional das representações teatrais – para desenvolver sua proposta. “Na primeira parte do espetáculo, ocuparemos o palco do Teatro Aracy Balabanian; na segunda, iremos para fora do teatro, usando vários elementos cênicos”, antecipa Vitor Hugo Samudio, diretor do Mercado Cênico. A produção faz seguir a carreira do grupo, que ainda tem no repertório a peça “Paredes revisitadas”. A nova produção passou por etapas diferentes até ganhar a atual versão. “Anteriormente, pensamos em encená-la numa garagem, mas ficou inviável. No decorrer da pesquisa para a montagem, apareceram vários assuntos e aspectos. Resolvemos, então, criar uma trilogia. Começamos abordando a violência. Na primeira parte, o assunto será tratado com dramaticidade; na seguinte, o enfoque será mais escrachado, mostrando que a violência pode estar até em um programa de televisão como o ‘Big brother’”, enfatiza Vitor. Oito atores, juntamente com o diretor, têm ensaiado de segunda a sexta-feira, das 8h às 11h30min, no Centro Cultural José Octávio Guizzo. A previsão de estreia é para o próximo mês. A segunda parte da trilogia, denominada “Propina’s days”, deverá ser feita no segundo semestre e, a terceira, no próximo ano. A primeira parte foi premiada com R$ 20 mil pela Funarte, por meio do Prêmio Myriam Muniz para montagem.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

FIM DA ANGÚSTIA

Familiares de mulher que teve o corpo furtado realizam terceiro sepultamento

Rosilei Potronieli, de 37 anos, foi assassinada na semana passada em Terenos
MEIO AMBIENTE

Ministro contraria Ibama e diz que plantação em área indígena não é ilegal

Ambulância é arrombada e furtada  em pátio da Central de Regulação
CAMPO GRANDE

Ambulância é furtada em pátio da Central de Regulação

Goleiro Jefferson afirma não ter sido chamado para seleção por racismo
FUTEBOL

Goleiro Jefferson afirma não ter sido chamado para seleção por racismo

Mais Lidas