Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 12 de dezembro de 2018

TCE divulga lista de gestores com contas reprovadas

6 JUL 2010Por 07h:35
Fernanda Brigatti

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) divulgou ontem a relação de gestores e ex-gestores que tiveram suas contas julgadas irregulares entre 2002 e 2010. A lista foi encaminhada ao Tribunal regional Eleitoral (TRE) e não representa inelegibilidade automática, pois cabe à Justiça Eleitoral decidir se defere ou não o pedido de registro dos candidatos.
A relação contém 183 nomes. Entre os gestores com contas reprovadas estão os ex-prefeitos Eder Brambilla (Corumbá), Diogo Tita (Paranaíba), Dilson Deguti Vieira (Fátima do Sul, hoje secretário-adjunto de Saúde de Dourados), Abel Nunes Proença (Porto Murtinho), Abel Augusto Rodrigues (Tacuru), Raul Martinez Freixes (Aquidauana), o ex-presidente da Câmara de Itaporã, Celio Poveda, o ex-secretário de Educação de Dourados, Antonio Leopoldo Van Suypene, o prefeito de Amambai, Dirceu Lanzarini, o vereador de Dourados, Humberto Teixeira Júnior (candidato a deputado estadual pelo PDT), o ex-secretário de Estado do Desenvolvimento Agrário Valteci de Castro Ribeiro Junior, o Mineiro, (hoje no gabinete do Ministério da Pesca e Aquicultura), a presidente da Fundação Estadual de Turismo, Nilde Brun, e a ex-secretária de Educação de Corumbá, Ligia Maria Baruki.
O presidente do TCE, conselheiro Cícero Antônio de Souza, destacou, via assessoria de imprensa, que “a lista tem a finalidade de informar ao TRE os responsáveis por contas julgadas irregulares”. São incluídos na lista aqueles que tiveram as contas relativas ao exercício do cargo ou da função pública rejeitadas por irregularidade insanável e por decisão irrecorrível. No caso dos prefeitos e de ocupantes de cargos Executivos com contas reprovadas, a irregularidade só resultam em inelegibilidade os casos em que o parecer foi confirmado pelas Câmaras Municipais.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também