CAMPO GRANDE

Taxista morto em latrocínio pediu a vereador há 1 ano para fazer bico

Taxista morto em latrocínio pediu a vereador há 1 ano para fazer bico
13/07/2012 10:15 - Gabriel Maymone


O assessor parlamentar Manoel Kuzman Bondarenco, de 37 anos, morto com duas facadas no pescoço nesta madrugada por bandidos que se passavam por clientes para roubar, fazia bico há pouco tempo como taxista. Segundo o vereador Loester, há um ano e meio Manoel perguntou se podia trabalhar a noite como taxista. “Ele disse que precisava ganhar mais e eu disse que não tinha problema”, disse o vereador.

Segundo o parlamentar, o trabalho de Manoel era pegar indicações da população pelos bairros e levar até o gabinete. “Ele me acompanha desde a época em que atuei como deputado (2004). Recebi a notícia por familiares dele e já colocamos um assessor à disposição para ajudá-los nesse momento tão difícil”, relata Loester, que está de plantão no hospital e ainda não teve tempo para acompanhar o caso.

"Ontem ele esteve comigo no gabinete, me passando indicações. Hoje ele não está mais conosco. É uma tragédia", lamenta Loester.

Crime

Quatro homens solicitaram uma corrida da Avenida Guaicurus até o município de Sidrolândia (MS). No caminho, por volta de 1h, os 'passageiros' anunciaram o assalto. A vítima tentou reagir, mas um dos bandidos a enforcou com um cadarço e desferiu duas facadas no pescoço do taxista.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".