CIDADES

Taxista assaltado por suposto passageiro

Taxista assaltado por suposto passageiro
23/04/2010 07:29 -


karine cortez

O taxista Victor da Costa Vital, 24 anos, foi assaltado na noite da última quarta-feira, ao atender a uma corrida na cidade de Ladário. Ele teve seu veículo Classic roubado e foi abandonado amarrado em um matagal que já foi usado como área de sem-teto. Além do carro, os ladrões também levaram a aliança, documentos pessoais e o celular do motorista.

De acordo com registro policial feito na delegacia de Corumbá, a vítima estava no ponto de táxi situado na Rua 14 de Março na esquina com a Rua Riachuelo quando dois homens solicitaram uma corrida até a Rua Conde de Azambuja. Em depoimento, Victor contou que os bandidos disseram que passariam para pegar a mãe e iriam para Corumbá. Mas, no caminho, outros três homens apareceram e a pedido dos passageiros o motorista parou o veículo para que os três embarcassem. Em seguida, um dos homens sacou um revólver e anunciou o assalto.

O taxista foi obrigado a ir para o banco traseiro e um dos bandidos assumiu a direção enquanto os demais amarravam a vítima. Os ladrões seguiram para um matagal onde abandonaram Victor, fugindo com o veículo rumo a Corumbá.

Outro roubo
Ontem, por volta das 5h, José Mazuquele, 61 anos, foi roubado na Avenida Marechal Deodoro, quando seguia para o trabalho. Ele estava de bicicleta quando três homens, também de bicicleta, o abordaram. Os bandidos levaram os documentos pessoais.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".