Quinta, 22 de Fevereiro de 2018

Táxi é a única opção de transporte

20 SET 2010Por 20h:13

A consultora de empresas de reflorestamento, Ana Paula de Oliveira, 31 anos, deveria estar no hotel às 22h45 de terça-feira, para preparar uma apresentação para grupo de empresários do setor, em cidade do interior no dia seguinte. Porém, passou mais tempo do que imaginava em busca de táxi. Ela disputava com outros passageiros a única opção oferecida no aeroporto de Campo Grande. São 38 carros (segundo a Infraero) para média de 3 mil viajantes diários.
Ônibus executivo, que seria alternativa para o problema, ficou na promessa da Agetran. Ano passado, após queixas apontando a situação, o município chegou a sugerir essa possibilidade. Porém, o projeto (?) não passou de promessa. A reportagem questionou o setor de transporte da Agetran e recebeu a seguinte resposta: ninguém nunca sugeriu ou reivindicou formalmente a implantação de linha executiva com partidas do aeroporto, passando pela região central, e chegando ao novo terminal rodoviário, na Avenida Gury Marques, saída para São Paulo.
Não é o que revela o presidente da Associação Brasileira das Agências de Viagens (Abav-MS), Ney Gonçalves Dias. Pelo contrário, tem posse de ofício onde cobra melhorias no sistema de desembarque. Lembra que o aeroporto de Campo Grande é o único das capitais brasileiras que não dispõe de alternativas de transporte, além do caro serviço de táxi.
“Não sabemos o que está por trás disso, mas a verdade é que não só a Abav, mas outras entidades ligadas à cadeia do turismo consideram falta de vontade da administração para resolver tal situação”, dispara Ney Gonçalves Dias.
Além de mais barato, o ônibus executivo poderia acabar com a “muvuca” verificada no período noturno. Com seis voos aterrisando em espaços de 15 minutos, o passageiro desce do céu para viver um inferno momentâneo na terra.
A Agetran anunciou licitação para reforçar o transporte no aeroporto. Enquanto isso, a filas continuam; da mesma forma, as multas são aplicadas e a situação não deeverá ser resolvida  sem, contudo, o município descruzar os braços.

Leia Também