Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

COPOM

Taxa básica de juros da economia fica em 8,75%

28 JAN 10 - 22h:36DA REDAÇÃO
O Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) decidiu ontem, por unanimidade, manter a taxa básica de juros (Selic) nos atuais 8,75% ao ano. A decisão, tomada na primeira reunião do conselho em 2010, já era esperada pelo mercado financeiro. “O Comitê irá acompanhar a evolução do cenário macroeconômico até sua próxima reunião, para então definir os próximos passos na sua estratégia de política monetária”, diz a nota divulgada após a reunião. Foi a quarta reunião consecutiva em que o Copom resolveu manter a taxa inalterada, após cinco cortes seguidos na Selic entre janeiro e julho do ano passado. A primeira manutenção ocorreu em 2 de setembro, o que foi repetido em 21 de outubro e na última reunião, no dia 9 de dezembro. Previsão A manutenção da ta xa de juros já era esperada pelo mercado financeiro. Na pesquisa Focus, divulgada pelo Banco Central na última segu ndafeira, os economistas previram a Selic em 8,75% até a br i l , qu a n do, s egu n do eles, começaria a subir. Para o fim de 2010, a previsão é que a Selic encerre o ano em 11,25%. A previsão de aumento nos juros em 2010 feita pelo mercado se deve à expectativa de um maior aquecimento da economia, que pode aumentar o consumo e pressionar os preços dos produtos, fazendo com que a autoridade monetária eleve a Selic para controlar a inflação. Para o fim deste ano, o mercado passou a prever o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) acima da meta de 4,5% traçada pelo governo, em 4,6%. Os economistas projetam o crescimento do PIB em 5,3%. No último relatório de inflação, divulgado pelo BC no fim de dezembro, a expectativa do órgão é que a inflação termine 2010 também em 4,6%, acima da meta e dos 4,4% previstos no relatório de três meses antes. Para o PIB, a projeção é de crescimento de 5,8%. Menor taxa A atual taxa é a menor da história. Os cinco cortes realizados até julho foram a maior sequência de cortes desde o início do governo Lula, em 2003. Naquela época, no entanto, os juros estavam em quase 30% ao ano. No início de 2009, os juros estavam em 13,75% ao ano. Em janeiro, o Copom fez o primeiro corte desde a piora da crise econômica a partir de setembro de 2008, para 12,75% a.a.. Na reunião de março, os juros caíram novamente, para 11,25% a.a. Em abril e junho, os cortes foram de um ponto percentual. Na reunião de julho, no entanto, o BC reduziu a intensidade do corte para 0,5 ponto percentual –chegando ao patamar atual-– e indicou que não haveria mais nenhuma redução dos juros neste ano. O Copom se reúne a cada 45 dias e terá sua próxima reunião nos dias 16 e 17 de março.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ECONOMIA

Mercosul concluiu acordo comercial com países do Efta, diz Bolsonaro

ECONOMIA

Caixa avalia mudança para taxa prefixada no financiamento imobiliário

BRASIL

Lula se cala na Pentiti, 64ª fase da Lava Jato

BRASIL

Maia: País vive 'quase um estado autoritário', inclusive na área do meio ambiente

Mais Lidas