Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Tarifas bancárias aumentaram 176% entre os principais bancos do País

31 JUL 10 - 16h:38
ADRIANA MOLINA

Os preços das tarifas de um mesmo serviço chegam a variar até 176% entre as principais instituições financeiras do Brasil. O porcentual foi verificado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), ao pesquisar os preços dos serviços bancários mais comuns no País.
O serviço que apresentou a maior diferença foi a emissão de extratos de conta corrente e poupança.  Os valores apurados oscilaram entre R$ 1,45 (Bradesco) e R$ 4 (Caixa Econômica Federal, Banco Real e Santander) – 176% mais oneroso. Quem usa muito o serviço e quiser fazer a conta no final do mês, vai perceber que poderia solicitar quase 28 extratos no banco mais barato, contra apenas 10 no de preço mais alto.
Em seguida, aparece a confecção de cadastro, que pode sair até 107% mais cara ao consumidor dependendo do banco que ele escolher. As tarifas mais em conta para o serviço foram encontradas no Banco Real e Santander, que cobram R$ 28,50; já a mais cara é a cobrada pelo HSBC, de R$ 59.
Concessões de adiantamento ao depositante variam de R$ 22 (Caixa Econômica Federal) a R$ 42 (HSBC), revelando diferença de 90% entre as instituições. Já folhas de cheque podem custar até 77,7% mais entre um banco e outro, de R$ 0,90 (Nossa Caixa)  a R$ 1,60 (Bradesco).
A emissão de segunda via de cartão de débito é outro serviço com variação expressiva, de 80%, custando entre R$ 5 e R$ 8,80. Em regra, a maioria dos produtos ou serviços pesquisados pelo Idec, tiveram diferenças grandes entre os bancos, que tabelam os valores para suas agências em todo o País.
Uma das menores oscilações encontradas pelo instituto foi a da taxa de saque, que apresentou diferença entre o preço mínimo e máximo de 26,3%. A maior foi de R$ 2,40, cobrada pelo Santander e a menor de R$ 1,90, do Bradesco.

Falta concorrência
Segundo o economista Ricardo Senna, as grandes diferenças são reflexo da falta de concorrência mercadológica entre as instituições que, neste caso, não são estimuladas a isso. “Não vemos o consumidor pesquisando, negociando ou até mesmo reclamando das tarifas nos bancos. Eles simplesmente aceitam o que é cobrado. Dessa forma as instituições não têm interesse algum de baixar seus preços, já que não há um cenário de competitividade entre elas”, explica.
O fato é comprovado em Mato Grosso do Sul pelo número de reclamações na Superintendência de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-MS). De acordo com o órgão, apesar das queixas contra bancos ocuparem o segundo lugar no ranking geral, perdendo apenas para os serviços de telefonia,  75% delas não se referem a tarifas e sim a cobranças indevidas.
“Apenas 10% dos cerca de dois mil processos abertos no Procon por ano contra instituições financeiras remetem à relação cliente banco, que inclui a questão tarifária”, afirma o superintendente Lamartine Ribeiro, lembrando que o número é muito pequeno para causar algum impacto competitivo entre as instituições, melhorando os preços aos clientes.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Após conseguir semiaberto, goleiro Bruno pode deixar prisão a qualquer momento
BRASIL

Após conseguir semiaberto, goleiro Bruno pode deixar prisão a qualquer momento

Nasce filha da primeira bebê nascida por inseminação em MS
ESPERANÇA

Nasce filha da primeira bebê nascida por inseminação

Agetran anuncia interdição de vias para final de semana
CAMPO GRANDE

Agetran anuncia interdição de vias para final de semana

Mesmo votando fora da base, deputados são pré-candidatos
ELEIÇÕES 2020

Mesmo votando fora da base, deputados são pré-candidatos

Mais Lidas