Sábado, 24 de Fevereiro de 2018

AUDIÇÃO

Surdez prejudica convívio familiar e profissional

11 NOV 2010Por CRISTINA MEDEIROS16h:50

Pessoas com problemas auditivos têm dificuldades de relacionamento na família, no trabalho e entre amigos. Ocorre muitas vezes um constrangimento, de ambas as partes, devido à dificuldade na comunicação, o que acaba por afastá-las do convívio em sociedade, podendo acarretar até mesmo depressão.

Segundo pesquisa realizada pelo site Hear-it, os próprios familiares e amigos sentem-se intimidados em abordar o problema da deficiência auditiva, porque a reação da pessoa não é boa na maioria das vezes. Dos 85% que revelaram ter tocado no assunto com um parente ou amigo, 47% consideraram a conversa difícil e delicada.

"Falar sobre deficiência auditiva nunca é fácil, por causa da resistência que as pessoas têm em admitir a surdez. Mas, trazer à tona o problema é a melhor coisa a fazer. Familiares e amigos podem oferecer um apoio importante. Todos os estudos mostram que o tratamento, geralmente com próteses auditivas, resulta em melhoras significativas na qualidade de vida do indivíduo tratado", afirma a fonoaudióloga Isabela Gomes, da Telex Soluções Auditivas.

A pesquisa também revelou que seis em cada dez parentes ou amigos de deficientes auditivos relataram que a perda de audição afeta significativamente o relacionamento interpessoal. E 74% deles afirmaram, inclusive, que mudam seu comportamento quando estão juntos com o deficiente auditivo.

A perda de audição adquirida na idade adulta deve ser considerada, acima de tudo, uma perda social e psicológica que priva o indivíduo de conquistar boas relações sociais e almejar novas metas profissionais. Embora essas pessoas tenham ocupações diversas, elas sofrem com maiores índices de desemprego, além de rendas mais baixas se comparadas a de grupos com audição normal.

Segundo especialistas, a maioria das pessoas experimenta algum grau de perda auditiva a partir dos 40 anos, por causa do envelhecimento natural do corpo, quando as células ciliadas do ouvido interno começam a morrer. O processo é diferente em cada um, mas aproximadamente uma em cada dez pessoas desta faixa etária tem um grau de perda que indica a necessidade do uso de um aparelho. Depois dos 65 anos, a perda auditiva, conhecida como presbiacusia, tende a ser mais severa. Por isso, o melhor é procurar um especialista aos primeiros sinais de surdez.

Leia Também