Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Visão distorcida

Suposto racismo em charge de Obama causa demissão

23 MAR 11 - 19h:30Estadão

O chargista Solda, de 58 anos, que já trabalhou, entre outras publicações, no Pasquim e Jornal do Brasil, além de várias agências de publicidade, foi demitido segunda-feira, 21, do jornal O Estado do Paraná, atualmente publicado apenas na internet, sob acusação de ter feito uma charge com tom racista durante a visita do presidente norte-americano Barack Obama. A retirada da charge do site do jornal e a demissão aconteceram depois que ela foi publicada no blog Conversa Afiada, do jornalista Paulo Henrique Amorim, com o título "Não, nós não somos racistas".


O desenho mostra um macaco fazendo o simbólico gesto de "banana" com os braços e traz a inscrição: "Almoço para Obama terá baião de dois, picanha, sorvete de graviola...e banana, muita banana". Na interpretação dos que viram racismo, supostamente o presidente norte-americano estaria representado no macaco. Mas o autor do trabalho discordou dessa opinião. "Jamais faria isso. Nas eleições, eu usei camiseta do Obama, vi que era a renovação", disse.


Segundo ele, o único objetivo foi criticar a pretensão dos Estados Unidos de serem superiores a outros países, inclusive provocando transtornos exagerados durante a visita e exigindo que os ministros tirassem os sapatos para serem revistados. "Não tem nada a ver com o Obama, com racismo, nem com nada", reforçou Solda. "A república das bananas é uma coisa antiga e quis me referir exatamente a isso. É uma banana para o imperialismo, acham que aqui é o quintal deles".
 

O termo "república das bananas" foi criado pelo cronista e humorista norte-americano Henry, pseudônimo de William Sydney Porter (1862-1910), quando se referia ao colonialismo imposto pelos Estados Unidos na região. Solda afirmou que já utilizou outras vezes o símbolo da "banana", inclusive quando em referência ao presidente da Venezuela, Hugo Chávez. "Não tenho preconceito, a não ser contra burrice e ignorância", criticou o chargista. "Algum analfabeto funcional ou visual interpretou mal e acho que viu racismo".

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Júri condena dois acusados de atacar judeus em 2005 em Porto Alegre
BRASIL

Júri condena dois acusados de atacar judeus em 2005 em Porto Alegre

BRASIL

Brumadinho: sobe para 212 o número de mortos identificados em tragédia

BRASIL

Bolsonaro e Piñera rejeitam intervenção militar na Venezuela

BRASIL

Caminhoneiros se mobilizam para nova paralisação, mostra monitoramento

Mais Lidas