Campo Grande - MS, quinta, 16 de agosto de 2018

1º DE MAIO

Supermercados definem abertura no domingo

29 ABR 2011Por da redação00h:01

Donos de supermercados de Campo Grande e empregados se reúnem hoje (29) para negociar a abertura desse segmento do comércio no domingo, 1º de maio, Dia do Trabalhador. A negociação será por intermédio de suas respectivas entidades de classe: Sindsuper e o Sindicato dos Empregados no Comércio de Campo Grande – SEC/CG.

A reunião será às 9 horas na sede do sindicato patronal. Esta será a terceira mesa redonda para tentar fechar a Convenção Coletiva de Trabalho 2011/12. No último encontro, os empresários levaram uma contraproposta dos empregados que prevê sim o trabalho no feriado de 1º de Maio, mediante o pagamento de um bônus de R$ 45,00 a ser pago no fim do expediente de cada funcionário.

“Muitos preferem gozar o feriado e participar das inúmeras festas que serão promovidas na cidade em sua homenagem (trabalhador), mas estariam dispostos a trabalhar em troca de uma remuneração também especial no valor de 45 reais”, informa Idelmar da Mota Lima, presidente do Sindicato.

O vice-presidente do SEC/CG, Nelson Benitez também reforça sobre a contraproposta: “Os donos de supermercados não podem só querer ganhar em cima do trabalho de seus empregados. Se querem abrir num feriado criado para privilegiar a classe dos trabalhadores, têm que fazer um acerto especial, dividindo pelo menos uma pequena parte do grande lucro que obtêm com as vendas nesse dia”, afirmou.

Benitez disse ainda que a Lei prevê a abertura nos feriados somente por intermédio de negociação em Convenção Coletiva de Trabalho. Caso contrário, os supermercados não poderão abrir. E diferente de anos anteriores quando os empresários alegaram perante a justiça que os comerciários se recusaram a negociar, o sindicato laboral deixa claro para as autoridades da justiça que os trabalhadores não estão se furtando da negociação. “A proposta está na mesa. Se eles aceitarem, poderão colocar os empregados para trabalhar. Do contrário, não”, enfatiza Benitez.

Leia Também