Segunda, 19 de Fevereiro de 2018

COMÉRCIO

Superdescontos atraem milhares na Capital

8 JAN 2011Por ADRIANA MOLINA00h:00

Descontos que chegaram a 73% levaram milhares de consumidores a saldões realizados nesta semana, em Campo Grande. Para liquidar estoques de coleções antigas e mostruários, algumas empresas buscaram atrair clientes com produtos a preço de custo, como no caso de panelas de pressão que custavam R$ 30 e foram vendidas ontem por R$ 8.

O item foi "chamariz" para muitos outros na rede Magazine Luiza. Apenas a dona de casa Vera Ferreira levou duas, e acabou comprando outros 10 produtos da loja ao se surpreender com os preços. "O computador por R$ 949 estava muito barato, a vantagem foi grande", disse, calculando que economizou pelo menos R$ 2 mil na aquisição dos 12 itens que levou para casa.

Outros, como a dona de casa Luzinete Pereira, conseguiram resistir à tentação dos baixos preços e levaram apenas a panela anunciada. "Dá vontade de levar mais coisas, mas vim só por causa da panela e vou me segurar", comentou.

A loja ainda ofereceu TV de LCD de 32 polegadas de R$ 1.290 por R$ 890; lavadora de roupas de 11 quilos de R$ 1,2 mil por R$ 550, e notebook de 2 GB com Windows 7 de R$ 1.290 por R$ 890.

Na Casas Bahia, foi possível levar produtos novos, ainda na caixa, no mostruário ou em estoques em São Paulo, com descontos de até 70%. A loja, que continua em promoção nos próximos dias, informou que guarda-roupas de casal, por exemplo, do show room e dos catálogos, podem ser adquiridos a partir de R$ 299.

Nos supermercados, como o Walmart, ontem já não havia quase nada dos saldões que começaram semana passada nas prateleiras. Os descontos de até 40% nos eletrônicos fez vender quase tudo do mostruário, porém, o hipermercado continua com ofertas, colocando em promoção dois mil itens diariamente.

No Extra, a facilidade está na forma de pagamento. As lojas da rede oferecem parcelamento em até 8 vezes sem juros ou 18 vezes com juros no cartão da loja.

 Liquidez
Em anos anteriores, o comércio ficava cerca de dois meses em liquidação após o Ano-Novo. Em 2011, antes mesmo de janeiro completar uma semana, praticamente todas as lojas já estão com estoques antigos quase zerados. Segundo a Federação do Comércio de Mato Grosso do Sul, a mudança de comportamento, hoje com liquidez tão rápida de produtos, é fruto da velocidade da informação e da melhor capitalização do consumidor.

"Antigamente janeiro era mês de troca de presentes, só depois que os saldões eram feitos. Hoje, com a melhor situação econômica do País que se refletiu na renda, e a velocidade do processo de comunicação na internet, isso foi acelerado. Tudo está mais rápido, desde a troca de coleções no vestuário até os eletrônicos e eletrodomésticos – o que impulsiona também o consumo mais veloz", explicou o economista da entidade, Thales de Campos.

Pesquisa feita pela entidade no final do ano passado apurou que pelo menos 68% dos consumidores do Estado estavam dispostos a gastar com compras neste período. Apenas 15% pensavam em poupar dinheiro e outros 17%, em pagar contas.

Leia Também