Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Sumiço do voo 370 pode ter sido um ato de protesto político

Sumiço do voo 370 pode ter sido um ato de protesto político
18/03/2014 06:00 - exame


Uma nova teoria surgiu em torno do sumiço do voo 370 da Malaysia Airlines. Dessa vez, envolve a política na Malásia e a recente onda de protestos no país.

Uma foto do arquivo pessoal do piloto, Zaharie Ahmad Shah, chamou a atenção das autoridades: nela, Shah usa uma camiseta em inglês com os dizeres “A democracia está morta”. 

Investigações apontaram que ele é um seguidor “fanático e obsessivo” do líder malaio Anwar Ibrahim.

Líder da oposição, Ibrahim foi preso recentemente pelo governo por, teoricamente, praticar atos homossexuais (no país, o ato é considerado crime grave) – mas a prisão foi vista por muitos como puro ato político.

Sete horas antes do voo 370 sumir do radar, Ibrahim foi julgado e sentenciado a cinco anos de prisão.

Fontes anônima citadas pelo International Business Times disseram que o piloto Shah estava presente em parte do julgamento de Ibrahim. Ele saiu do tribunal direto para o aeroporto, onde faria o voo 370.

Assim, surgem as suspeitas de que Shah pode ter sequestrado o avião como um ato de protesto contra a política de seu país.

A polícia já trabalha com a forte hipótese de que o piloto ou o copiloto – ou alguém a bordo com conhecimentos de aeronáutica – mudou a rota do avião e se escondeu dos radares propositalmente.

O próprio Ibrahim, em entrevista ao jornal South China Morning Post, confirmou que Shah era um militante do partido:

"Eu não me lembro do nome dele, mas pela fotos que vi agora, eu me lembro de tê-lo visto nas reuniões do partido. Ele não tinha um cargo no partido, mas era um membro ativo e tirava fotos com os líderes do parlamento", disse.

Ele também confirmou que Shah o seguia no Twitter.

Contudo, a suspeita de o avião ter sido sequestrado por questões políticas merece cautela. A falta de competência das autoridades da Malásia em achar pistas sobre o avião está pressionando o primeiro-ministro Najib Razak e desgastando sua imagem.

Este, por sua vez, poderia ver no caso uma ótima chance de manchar a imagem de seu inimigo político ao ligá-lo a um suposto piloto fanático e criminoso.

Temendo serem responsabilizados de alguma maneira pelo suposto sequestro do avião, o partido de Ibrahim, o Parti Keadilan Rakyat, tratou logo de dizer que não há ligação entre o político e o piloto.

Disputa política

A ONU e a Anistia Internacional criticaram a prisão de Ibrahim, dizendo que era uma manobra política de Najib Razak para silenciar seu principal opositor. 

Recentemente, Ibrahim abriu mão de seu assento no Parlamento, com a intenção de concorrer ao governo do estado de Selangor, o mais rico da Malásia. Reduto do partido da posição, a intenção de Ibrahim irritou o governo, que tratou de atacá-lo. 

Em 2013, protestos violentos tomaram as ruas do país. Em janeiro, a população simpatizante da oposição saiu às ruas para protestar contra o governo.

Em maio, o povo protestou novamente, dessa vez contra o resultado das eleições gerais, que elegeu representantes para o parlamento. A oposição acusou o governo de fraudar os resultados.

Já em dezembro, a alta do preço dos alimentos revoltou a população, que entrou em choque com a polícia.

Um vídeo das câmeras de segurança do aeroporto mostram Shah sendo revistado, antes de embarcar:

Felpuda


Prefeitura de município do interior de MS recebeu recomendação do Ministério Público do Estado no sentido de exonerar servidores comissionados, livres do cartão de ponto, que são parentes de secretários da administração e de vereadores. O nepotismo se tornou um excelente “negócio” por lá, e se até o dia 6 de agosto as devidas providências não forem tomadas, medidas serão adotadas, como ação por improbidade administrativa. Tem gente que não aprende mesmo, né?