Domingo, 18 de Fevereiro de 2018

Sucessão presidencial provoca confronto na Assembleia

20 OUT 2010Por Lidiane Kober02h:40



Na reta final do segundo turno da corrida presidencial, os deputados estaduais confrontaram-se ontem em defesa de seus respectivos candidatos a presidente. Petistas acusaram os adversários de desviar o foco da eleição e de baixar o nível da campanha.  Em resposta, os tucanos pediram para a candidata do PT, Dilma Rousseff, “sair da sombra do presidente Lula”.
O debate eleitoral veio à tona com o deputado Pedro Kemp (PT). Na tribuna, ele disse que “plantaram calúnias contra Dilma com o objetivo de desviar o tema principal da campanha”, referindo-se a projetos e comparações de governo. “Como perderam no debate de propostas, partiram para o terrorismo, para o ataque”, engrossou o deputado Pedro Teruel (PT).  
Para Kemp, o plano dos tucanos é destruir a imagem de Dilma e transformar José Serra (PSDB) “no cara do bem”. “Como políticos se tornam religiosos da noite para o dia?”, questionou. “Isso é um show de hipocrisia”, completou.
Em resposta, o deputado Zé Teixeira (DEM) declarou que quem desviou o foco da campanha eleitoral foi o PT. “Vamos voltar ao foco do debate de propostas e sair da sombra do presidente”, disse. “Precisamos de um Brasil sem sombras”, acrescentou. Ele ainda perguntou: “quem é Dilma?” “Já a trajetória do Serra nós conhecemos”, concluiu.
O questionamento provocou novas reações petistas. “A Dilma é uma mulher honrada, corajosa. “Na época da ditadura militar, enquanto o Serra fugia para o Chile, a Dilma era torturada em nome da democracia”, lembrou Kemp. Para ele, o vitória do tucano representa a “volta do neoliberalismo, do Estado mínimo e das privatizações”.
“Quando se fala em privatizações, ninguém lembra da telefonia. São quase 180 milhões de pessoas com acesso ao serviço”, rebateu o deputado Professor Rinaldo (PSDB). Para ele, “hipocrisia é não reconhecer a importância do Plano Real”, criado na gestão do tucano Fernando Henrique Cardoso.

Leia Também