COM CARRO ROUBADO

Subtenente do exército é preso por tráfico em barreira da PRF

Subtenente do exército é preso por tráfico em barreira da PRF
20/08/2012 10:34 - Gabriel Maymone


Um subtenente, lotado na 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada de Dourados (MS), foi preso em flagrante na noite de sexta-feira (17) por tráfico de drogas. Ele estava dirigindo um Toyota Corolla furtado em São Paulo e que estava carregado com 110 quilos de maconha e dois quilos de pasta base de cocaína.

O militar passou tranquilamente pela barreira que o Exército montou no Posto Pacuri, em Ponta Porã, e só foi preso na base da Polícia Rodoviária Federal (PRF) no Capeí, na BR-163.

Os policiais rodoviários federais desconfiaram do comportamento do subtenente da 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada quando pararam o veículo para vistoria de praxe. O militar estava nervoso e entrou em contradição ao ser questionado pelos agentes da PRF. Depois de uma rápida revista, os policiais encontraram a droga que seria levada para São Paulo pelo militar.

O subtenente do Exército recebeu então voz de prisão em flagrante e foi levado para a Delegacia da Polícia Federal de Ponta Porã, onde foi indiciado por tráfico de drogas e, posteriormente, entregue às forças militares. Ele revelou que usou a patente de subtenente para passar pelo posto da Operação Ágata sem ter o carro revistado pelos militares do Exército que participavam da barreira no Posto Fiscal Pacuri, próximo ao Distrito de Sanga Puitã, em Ponta Porã. 

Com informações do Dourados News

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".