Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

domingo, 17 de fevereiro de 2019 - 14h55min

STJ ratifica penhora de R$ 41 milhões, mas proíbe saque

10 AGO 10 - 04h:37
karine cortez

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) deferiu, ontem, parcialmente, liminar proposta pelo Banco do Brasil e proibiu pagamento de R$ 41,5 milhões ao empresário Edyjaime Eduardo Furtado, até o julgamento do recurso especial apresentado à Terceira Turma do órgão. No entanto, a quantia milionária foi penhorada e está bloqueada até nova decisão. Nem o banco nem o autor da cobrança podem mexer no dinheiro.   
Na última quinta-feira, o superintendente e o gerente da agência, localizada na Avenida Afonso Pena, fugiram quando o oficial de justiça chegou com a decisão judicial para penhora da quantia milionária. No dia seguinte, a agência ficou fechada. A informação repassada aos clientes foi de que o local não funcionaria “por motivos técnicos”. Com a decisão do STJ, a agência voltou a funcionar normalmente ontem.
Na decisão de ontem, o ministro Sidnei Beneti, relator do processo no STJ, ponderou, no entanto, que a cobrança pode prosseguir, mas a liminar foi concedida até a análise do recurso para evitar dano difícil de ser reparado. Ainda na sexta-feira, o Banco do Brasil ingressou com recurso no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul e o pagamento já tinha sido suspenso.
O agravo de instrumento apresentado no Tribunal de Justiça foi convertido em recurso especial no STJ. No recurso, os advogados do banco consideraram a dificuldade em recuperar o dinheiro caso haja decisão neste sentido. Eles contestam ainda os valores cobrados na sentença proferida no último dia 4 pelo juiz da 5ª Vara Cível de Campo Grande, Geraldo de Almeida Santiago.
O ministro do STJ determinou ainda urgência ao cumprimento da execução: “comunique-se o  deferimento desta liminar à Presidência do Tribunal de Justiça do Estado do Mato Grosso do Sul e ao Juízo de Direito da 5ª Vara Cível de Campo Grande, encarecendo-se a urgência de providências para o cumprimento”.

Decisão
Na semana passada, além do pagamento dos R$ 41,5 milhões, o juiz determinou que caso a ordem judicial fosse descumprida, o superintendente da agência e o gerente geral poderiam responder pelo crime de desobediência e corriam o risco de ser presos. O banco informou, por meio da assessoria de imprensa, que não vai se pronunciar sobre o assunto.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Nenhum candidato se atrasa para concurso de Magistério
PROVA

Nenhum candidato se atrasa para concurso de Magistério

Deputados temem estoque
IMPORTAÇÃO

Deputados temem estoque "monstruoso" de leite da UE

Operação da PM aborda 117 pessoas   e apreende drogas durante a noite
OPERAÇÃO SATURAÇÃO

PM aborda 117 pessoas e apreende drogas

Anta é fotografada de madrugada   ao cruzar rua de shopping
SHOPPING

Anta é fotografada
ao cruzar rua movimentada

Mais Lidas