LEI DA TRANSPARÊNCIA

STJ e TCU divulgam salários de servidores

STJ e TCU divulgam salários de servidores
20/07/2012 13:03 - g1


O Superior Tribunal de Justiça (STJ) e o Tribunal de Contas da União (TCU) divulgaram em seus sites os salários de cada um dos servidores do órgão. No STJ, os dados vieram a público nesta sexta-feira (20) e no TCU as informações estão disponíveis desde quinta (19).

A divulgação dos salários dos ministros e dos servidores ocorre em razão da Lei de Acesso à Informação, que entrou em vigor em maio e determina que todas as informações dos órgãos, exceto aquelas que são sigilosas e que podem colocar em risco a segurança nacional, sejam tornadas públicas para a população.

A lista do STJ está disponível no link Transparência como "Detalhamento da folha de pagamento de pessoal". É possível ver a lista de todos os servidores em ordem alfabética a também filtrar as informações especificamente dos ministros, dos juízes auxiliares e dos demais servidores.

Os dados só estarão disponíveis a partir dos vencimentos referentes ao mês de junho. Os dados anteriores também existem no site, mas sem a identificação de nomes.
No site do TCU, os dados estão disponíveis no link Transparência. Depois, é preciso clicar no tópico Gestão de Pessoas. Aparecem então a possibilidade de entrar em um relatório entitulado "Remuneração de autoridades e servidores".

Às 13h30min desta sexta, a página com os salários dos servidores estava com a mensagem "Em manutenção" e a consulta não estava disponível. O G1 procurou o TCU, mas não obteve resposta até a última atualização desta reportagem.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".