MENSALÃO

STF ouve hoje defesas de réus ligados ao PL

STF ouve hoje defesas de réus ligados ao PL
10/08/2012 07:19 - G1


O Supremo Tribunal Federal (STF) faz nesta sexta-feira (10) a sétima sessão do julgamento do processo do mensalão, quinta consecutiva para ouvir a defesa dos réus. Mais cinco advogados falarão aos ministros, entre eles três de acusados ligados ao antigo PL, atual PR, que, segundo a Procuradoria Geral da República, recebeu propina em troca do apoio ao governo de Luiz Inácio Lula da Silva no Congresso.

Serão ouvidos ainda os advogados de Breno Fischberg, da corretora Bônus-Banval, e Carlos Alberto Quaglia, da corretora Natimar, ambos acusados de usarem as empresas para a lavagem do dinheiro que financiou o esquema. Os réus negaram conhecimento sobre a origem ilícita do dinheiro.

Depois, será a vez da sustentação oral da defesa do deputado federal Valdemar Costa Neto e do ex-tesoureiro do PL Jacinto Lamas. Também deve ser ouvido o advogado de Antônio Lamas, irmão de Jacinto, que teria sacado R$ 350 mil.

Segundo a denúncia, Valdemar recebeu R$ 8,8 milhões do valerioduto para votar a favor do governo. Ele confirmou ter recebido dinheiro do PT, mas afirmou que seria para cobrir gastos de campanha.

Jacinto teria sacado no Banco Rural R$ 1 milhão do valerioduto para o partido. O procurador-geral pediu absolvição de Antônio Lamas devido à falta de provas.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".