Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

STF nega inclusão de Lula no rol de réus do mensalão

10 ABR 10 - 21h:00

brasília

 

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou ontem a inclusão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no processo do mensalão. Por unanimidade, os ministros negaram pedido feito pela defesa do deputado federal cassado, Roberto Jefferson (PTB-RJ), réu na ação penal e principal responsável pela descoberta, em 2005, do suposto esquema de desvio de recursos para compra de apoio parlamentar pelo governo federal.

Roberto Jefferson pretendia que o Supremo obrigasse a Procuradoria-Geral da República (PGR) a apresentar denúncia contra Lula. Para ele, a participação do presidente no mensalão estaria implícita, já que os ex-ministros José Dirceu (Casa Civil), Luiz Gushiken (Secretaria de Comunicação) e Anderson Adauto (Transportes) são réus no processo.

O relator do caso, Joaquim Barbosa, afirmou que essa questão já foi resolvida pelo STF quando a Corte recebeu a denúncia contra os 40 acusados de envolvimento com o esquema, que agora são 39 porque o ex-secretário-geral do PT Silvio Pereira fez um acordo para cumprir penas alternativas.

Segundo o ministro, o pedido de Jefferson é completamente "destituído de base documental e probatória" e não teria eficácia.

Ao acompanhar o voto de Barbosa, o ministro Celso de Mello ressaltou que cabe apenas ao procurador-geral da República decidir se existem provas ou não para denunciar o presidente, e que não compete ao STF determinar que ele faça isso.

Apesar de acompanhar a maioria, o ministro Marco Aurélio ponderou que uma nova denúncia pelo procurador-geral pode ocorrer em qualquer momento do processo.

 

Chicanas e manobras

Além desse pedido, o relator do caso rejeitou outras 12 petições feitas por Roberto Jefferson, que passavam desde a solicitação de acareação dos deputados José Genoíno e Pedro Henry, até reclamações sobre a demora na digitalização do processo. Em algumas petições, o ex-deputado requisitava a anulação de todo o processo.

Joaquim Barbosa reclamou da insistência do réu em fazer pedidos que, segundo ele, não tem cabimento, e só serviriam para atrasar o julgamento da ação penal, que está previsto para 2011. O relator chegou a usar os termos "chicana", "manobra" e "falta de lealdade processual" para qualificar a conduta da defesa de Roberto Jefferson.

Joaquim Barbosa propôs aos ministros a aplicação de multa contra os advogados por litigância de má-fé. Mas diante da resistência de alguns colegas, a Corte determinou o envio da decisão do Plenário à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Eles podem ser autuados por violação ao Estatuto da Advocacia.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Felpuda

ALIANÇA PELO BRASIL

Bolsonaro admite que pode presidir novo partido

Sem marcar há um turno, Alexandre Pato amarga reserva no São Paulo
ATACANTE

Sem marcar há um turno, Alexandre Pato amarga reserva no São Paulo

BRASIL

Reforma administrativa será "suave", afirma Bolsonaro

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião